Poemas sobre o Dia da Consciência Negra

Poemas de Mohammad sobre o Dia da Consciência Negra.
 
Nossa causa
Olhai as savanas…
meu povo.
Pode crescer o deserto…
Saara e Kalaari.
Não pode morrer
o amor
Não basta que seja pura e justa
A nossa causa.
É necessário que a pureza e a justiça
Exista dento de nós
Paz
Fora Boko Haram
Deixe a Nigéria em paz.
Fora meu preconceito
Deixe minh’alma em paz.
Fora medo do mundo.
Deixe meu irmão em paz.
Fora fome incessante.
Deixe as crianças em paz.
Fora drogas malditas.
Deixe o futuro em paz.
Fora desesperança.
Deixe os jovens em paz.
Fora demônios Yanks.
Deixe meu mundo em paz.
Fora diáspora insana.
Deixe meu povo em paz.
 
Linguáfrica
Ai que vontade danada de contar uma história
De minha gente sofrida
De minha terra querida
De gente que vive por lá
Do meu povo Massaí sem feitor
Minhas Morans muito amor…
Guerreiras mulheres
Mulheres… dor.
Do Sahei ainda lembro
Do Magreb trambém.
Massai, Quênia e Nairóbi
Da felicidade sem cobres
Das savanas e do lemba
Soba grande…
Lemba famosa.
Baobá
África.
Professor Ozarias Freitas da Silva é o seu nome de batismo. Mas ele adota o pseudônimo Mohammad, nome de seu avô por parte de pai. Nascido no Piauí, o professor estudou música, cultura africana e agronomia. Na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e na Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, ele se tornou geógrafo, ambientalista e pedólogo. Na UFPI, lecionou climatologia II e geomorfologia.
Ganhou prêmio literário com a poesia “América do Sul” e gravou uma música de sua autoria no CD do Sinpro-DF. Também é fundador do Colégio Alternativa em sua cidade natal, Campo Maior, onde lecionou por mais de 5 anos. Hoje é professor no CEF 4 e no CEM 2, ambos no Gama, e atual como delegado sindical no Sinpro-DF.

Skip to content