Greve pelo clima paralisa cidades Brasil afora

Nesta sexta feira (20), trabalhadores e trabalhadoras, integrantes de movimentos sociais, estudantes e a sociedade em geral ocuparão às ruas em protesto contra a degradação da Amazônia e pela preservação do meio ambiente.

As mobilizações da Greve Global pelo Clima estão previstas para acontecerem em todas as regiões do Brasil.  Atos estão marcados em São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas, Alagoas, Bahia, Amapá, Ceará, Paraná, Rio Grande do Sul e em outros estados das cinco regiões do país. Confira detalhes das manifestações aqui.

No Distrito Federal, a manifestação é na Rodoviária do Plano Piloto, com panfletagem e diálogo com a população. A concentração será às 17h, na plataforma inferior. Também serão afixadas faixas em locais de grande circulação no DF, denunciando o caráter entreguista do governo Bolsonaro.

O objetivo é de dar visibilidade à situação de colapso ambiental que ocorre em diversas partes do planeta e cobrar dos governos ações para barrar o aquecimento global, em defesa da vida e do planeta.

A Coalizão pelo Clima, uma frente ampla composta por 70 organizações ambientalistas, coletivos, movimentos sociais, centrais sindicais e ativistas, está impulsionando manifestações. A Coalizão é uma frente ampla que reúne diversas forças políticas e sociais com atuações diferentes, mas que, neste momento, encontram na unidade a resposta para fazer oposição ao governo na área ambiental. Além disso, a atividade acontece em conjunto com o Dia Nacional de Mobilização e Protesto do Setor Público, devido à sinalização entreguista do presidente da República Jair que anunciou uma lista de 17 empresas estatais que serão privatizadas.

País em chamas

A Greve Global pelo Clima ocorre em um momento em que a atenção mundial está voltada para o Brasil devido às queimadas na Amazôniacausadas por fazendeiros da região. A devastação da maior floresta tropical do mundo é acompanhada pelas políticas e declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que desde o início de seu governo despreza e critica a pauta ambiental.

Em apenas nove meses de governo, corte de verbas, flexibilizações e interferências em órgãos ambientais como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto do Meio Ambiente e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) também estão entre os feitos do presidente e de Ricardo Salles, ministro da área.

Confira a programação:

 

Com informações da CUT e Brasil de Fato 

 

Skip to content