Galinhada já: estudantes realizam protesto

    Esta semana, os estudantes do Distrito Federal voltaram a sofrer com problemas na merenda escolar. Não bastasse a falta de carne bovina desde 2017, agora, os estudantes sofrem também sem carne de frango.

    Almoço desta quinta-feira (10), na Escola Parque 308 sul

    Nesta quinta-feira (10), os estudantes do Centro de Ensino Médio (CEM) 414, de Samambaia, uma das escolas que há tempos vem sofrendo com problemas na alimentação escolar, realizaram protesto contra situação vivenciada na unidade.

    De acordo o diretor do Sinpro-DF, Samuel Fernandes, o sindicato tem recebido inúmeras reclamações de professores(as) e diretores(as) de escolas por conta da falta proteínas no lanche dos alunos.

    Ele explica que muitas escolas não tem mais frango nem carne.  Apenas arroz com salada e/ou macarrão com legumes para o almoço, biscoito com suco para o café da manhã. Essas são as únicas opções disponíveis no cardápio, muito longe da alimentação balanceada que os estudante necessitam.

    “ O governo deixou o problema chegar neste verdadeiro caos. Isso mostra a total falta de planejamento e compromisso com a educação. Se cancelou o contrato é um dever repor os alimentos imediatamente, garantindo que os itens que estão faltando cheguem às escolas para a merenda dos alunos. Daqui a pouco teremos estudantes desmaiando de fome nas escolas públicas do DF, pois muitos deles fazem a única refeição do dia na escola”, explica.

    O governo alega que a situação ocorre porque os contratos para o fornecimento dos alimentos não foram renovados. Mesmo assim, a Secretaria de Educação informou que o fornecimento de frango in natura será retomado ainda em outubro e o de carne bovina, até dezembro.

    Outra justificativa alegada pelo GDF para falta de proteína animal ocorre, principalmente, em razão “da gripe suína na Ásia”. De acordo com a Secretaria de Educação, um parecer da Procuradoria Geral do DF impediu a renovação de contratos para aquisição de gêneros alimentícios com recursos federais.
    Com isso, o governo “ficou impossibilitado” de renovar os seguintes contratos:

    • Carne suína: 20 de agosto de 2019
    • Filé de peixe: 2 de setembro de 2019
    • Ovos de galinha: 14 de junho de 2019
    • Frango in natura: 24 de julho de 2019

    A última licitação para compra de proteína animal in natura (carnes bovina, suína, de frango e de peixes, além de ovos) foi realizada em julho, mas”fracassou”, segundo o GDF. Ou seja, não houve empresas interessadas no fornecimento dos alimentos.
    Além disso, o governo informou que abrirá uma licitação emergencial para comprar a proteína.

    “Essa situação é um desrespeito com os estudantes. Se uma providencia não for tomada o quanto antes, no dia que o lanche for pão com patê de frango, será servido apenas o pão, quando for galinhada, somente o arroz. Isso é desumano, e não podemos permitir que isso continue acontecendo. O governo precisa resolver urgentemente essa situação, pois verba para uma merenda de qualidade existe”, concluiu o diretor Samuel Fernandes.

    Com informações portal G1