Estudantes de escolas públicas do DF conquistam cada vez mais vagas em universidades públicas

Os(as) estudantes da rede pública de ensino do Distrito Federal novamente fizeram bonito no vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Na lista dos(as) aprovados(as) divulgada nesta quinta-feira (01), um grande número de alunos(as) dos centros de Ensino Médio 1 e 2, de Brazlândia e Ceilândia respectivamente, e de outras escolas públicas ingressaram na UnB por meio do Programa de Avaliação Seriada (PAS) e do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O resultado positivo é fruto do esforço de professores(as), orientadores(as) educacionais e diretores(as) de escolas, que têm desenvolvido um trabalho voltado para o ingresso dos alunos no ensino superior.
O esforço realizado por professores e diretores é, também, uma resposta à falta de incentivo e de recursos do Governo do Distrito Federal à educação pública, que a cada dia sofre com este descaso. Fatores como o número insuficiente de magistrados(as); a carência de materiais pedagógicos em sala de aula; o desrespeito ao pagamento de recursos às escolas, exemplo do PDAF; e a falta de verba para a reforma de escolas prejudicam a busca por uma educação pública de qualidade.
A oferta de aulas de reforço no turno contrário ao das aulas regulares, a realização de simulados e avaliações ao longo do ano letivo e um trabalho direcionado aos estudantes do terceiro ano do ensino médio resultaram neste sucesso. Segundo o diretor do CEM 02 de Ceilândia, Wilson Venâncio, a escola teve uma estudante aprovada em Medicina e outros que passaram para cursos concorridos, como engenharia, fonoaudiologia, farmácia e administração. Ao todo, 51 estudantes da escola foram aprovados na UnB. “Uma das alunas aprovadas é Deficiente Intelectual (DI), o que mostra que as dificuldades podem ser superadas. O sucesso que obtivemos neste vestibular mostra que apesar da falta de recursos do governo, a dedicação da categoria tem feito muitos frutos”, ressalta.
Outros projetos, exemplo do Quero Mais, Posso +, Cine Pasmem, projeto de redação e o Bora Vencer tiveram uma grande importância na aprovação de estudantes do Centro de Ensino Médio 304 de Samambaia. “Este sucesso é fruto do empenho de toda a equipe pedagógica e da ajuda da regional de ensino. Com este empenho, 34 estudantes da nossa escola foram aprovados no vestibular, somente na primeira chamada”, comemora a diretora do CEM 304, Rosângela Alves. “O governo deveria melhorar a questão de valorização da escola, do espaço físico, a questão pedagógica, melhorar as condições de salário para o pessoal se sentir mais valorizado. Tudo isto poderia surtir um efeito mais positivo”, sinaliza.
“Esse resultado também é fruto de uma luta da categoria e do movimento estudantil, quando em 2012, durante o governo Dilma, nós conseguimos a aprovação da Lei de Cotas para alunos de escolas públicas, que foi essencial para a ampliação da presença destes alunos nas universidades públicas”, afirma Yuri Soares Franco, diretor do Sinpro.
Para o coordenador da Secretaria de Imprensa do Sinpro, Cláudio Antunes, o número de aprovações de estudantes da rede pública em universidades federais é fruto do conjunto de professores(as) do jardim de infância, das escolas classe e dos centros de ensino fundamental, além dos professores do ensino médio. “Este sucesso representa a soma do esforço de uma categoria, que se dedica integralmente por uma educação pública de qualidade”, analisa Cláudio.
Os(as) orientadores(as) educacionais têm um papel importante nesta conquista, uma vez que são responsável, também, por orientar os estudantes no processo de escolha do curso e em dificuldades encontradas por eles dentro e fora da escola. “A construção do pensamento para a construção da profissão requer vários requisitos, que vão desde acompanhamento das informações mais primárias até a orientação para o curso propriamente dito. Se não existe este profissional, se a equipe estiver desfalcada, podemos deixar de ter alunos de escolas públicas ingressando em um curso superior”, comenta a orientadora educacional do Centro Educacional 05 de Taguatinga, Liliana Cardoso Silva, ressaltando que 19 estudantes do CED foram aprovados.
É por reconhecer a importância do(a) orientador(a) educacional na qualidade do ensino público que o Sinpro, juntamente com a categoria, tem realizado uma luta muito grande pela contratação de orientadores concursados, uma vez que fortalece a educação pública do Distrito Federal
A diretoria do Sinpro parabeniza toda a comunidade escolar pelo êxito no ingresso à UnB, em especial aos estudantes e profissionais do magistério, que são os mais qualificados do país e desenvolvem um belo trabalho desde a pré-escola, educação fundamental, até o ensino médio. “Porém, se o governo investisse mais no financiamento da educação, em condições de trabalho, na valorização dos profissionais da educação e fundamentalmente tirasse o Plano Distrital de Educação (PDE) do papel, refletiria diretamente na relação ensino/aprendizagem e obviamente na qualidade social da educação, não ficando “perplexos” ou “surpresos” com os resultados obtidos. Ressaltamos nosso contentamento e saudamos o corpo docente e discente, desejando êxitos na caminhada! Sigamos”, finaliza o diretor do Sinpro Júlio Barros.

Skip to content