Sinpro e comissão do CEF 5 reúne-se com secretário de Educação

    Nessa segunda-feira (11), o secretário de Educação, Rafael Parente atendeu ao pedido do Sinpro-DF e recebeu a comissão do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 5, do Paranoá. O sindicato fez a solicitação e o secretário atendeu prontamente o grupo no primeiro dia letivo do ano.
    No encontro, foram discutidos assuntos referentes à situação precária do prédio da escola.

    A escola está funcionando há cinco anos, de maneira provisória, em um prédio precário que já acumula diversos laudos e relatórios do Corpo de Bombeiros, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), da Defesa Civil e outros órgãos responsáveis, confirmando e alertando para o risco eminente de se manter a estrutura nas atuais condições. A comissão informou, inclusive, que desde 2016, tramita na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF) uma proposta de transferência da comunidade escolar para outro prédio, entretanto, o pedido não obteve nenhum encaminhamento ou avanço desde então.

    Parente se mostrou  preocupado com a circunstância arriscada da estrutura  onde funciona a escola e se comprometeu em dar celeridade ao contrato  de aluguel de outro imóvel para alocar a escola, bem como enviar em caráter de urgência uma empresa de engenharia ao CEF 5 para fazer os reparos emergênciais. Também prometeu ir pessoalmente conversar com o grupo e garantiu que, em no máximo 30 dias, a comunidade será transferida para o outro local. A comissão e o grupo do CEF 5 se reunirão novamente nesta quarta-feira (13) para discutir os encaminhamentos a partir da devolutiva da reunião com o secretário de Educação e o Sinpro-DF continuará acompanhando de perto todo o processo.

    A diretora do Sinpro Luciana Custódio relatou ao secretário a situação dramática da região do Paranoá, do Paranoá Parque e do Itapoã em relação ao déficit de escolas. Ela explica que mais de 40% dos alunos da regional precisam estudar em outras cidades por falta de escolas, e que o valor pago em um ano com transporte escolar para esses estudantes, é o suficiente para construir uma unidade por ano. Luciana Custódio também convidou  Rafael Parente para uma grande Audiência Pública Popular que será articulada pelo sindicato em parceria com professores, comunidade escolar do Paranoá, lideranças comunitárias, CEDEP, poder público e legislativo. O objetivo é elaborar, conjuntamente, uma política de construção e reformas de escolas na regional.

    “Os filhos e filhas do Paranoá e do Itapoã têm o direito de estudarem em sua cidade. Reiniciaremos, agora, uma grande campanha por construção e reformas de escolas e contamos com a participação e envolvimento de todas as escolas nessa luta”, conclamou Luciana Custódio.

    A comissão de negociação do CEF 5 foi criada em reunião realizada no último dia 7 e é composta pela sindicalista Luciana Custódio, pelo representante da Coordenação Regional de Ensino (CRE) do Paranoá/Itapoã, e a diretora e duas professoras do CEF 5 escolhidas pelo grupo.