Por administrador em 26/abr/2013

Professores da rede estadual de SP decidem manter greve



2FC5C7C9ECF64E95AA33818D0429B1D8Os professores da rede estadual de São Paulo decidiram em assembleia manter a greve, iniciada na última segunda-feira (22). A assembleia foi realizada na tarde desta sexta-feira (26) durante manifestação na Avenida Paulista, organizada pela Apeoesp (sindicato dos professores do Estado de São Paulo). O Sinpro-DF apoia a luta dos professores de São Paulo. Entre as reivindicações da categoria estão o aumento salarial de 36,74% e a implementação de uma lei nacional, que prevê que 33% da jornada de trabalho dos professores seja destinada à preparação de aulas e à formação continuada. A proposta de reajuste do governo, em projeto na Assembleia Legislativa, é de 8,1%.

No início da manifestação desta sexta-feira, havia cerca de 2.000 pessoas reunidas no vão do Masp (Museu de Arte de São Paulo), segundo a PM (Polícia Militar). Os manifestantes devem seguir agora em passeata até a praça da República, no centro da cidade.

Proposta – A Apeoesp se reuniu ontem com o secretário de educação Herman Voordwald. O secretário propôs avaliar no segundo semestre a possibilidade, de acordo com as condições econômicas, de mais um aumento salarial para os profissionais do magistério, afirmou a assessoria da pasta. Segundo nota do sindicato, a Apeoesp pediu que o projeto de lei encaminhado à Assembleia Legislativa contivesse um “novo percentual para outubro”, mas o secretário se comprometeu apenas com conversas futuras.

Paralisação – O sindicato afirma que a paralisação atingia 35% dos professores na quarta-feira (24). Já a secretaria afirma que o registro de faltas foi de apenas 7,3% dos docentes. A Apeoesp fará uma nova assembleia na tarde desta sexta-feira (26), às 14 horas, na avenida Paulista.

Com informações do UOL

Imprimir