Por administrador em 09/set/2010

Pesquisa mostra que aumenta a escolarização dos brasileiros



A escolarização dos brasileiros aumentou. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgados nesta quarta-feira (8) mostram que a proporção de pessoas que tinham pelo menos 11 anos de estudo subiu de 25, 9% em 2004 para 33% em 2009, e que 97, 6% das crianças de 6 a 14 anos estão na escola. O maior crescimento na taxa de escolarização – percentual dos que frequentam a escola – se deu entre as crianças de 4 e 5 anos e os jovens de 15 a 17. Entre as crianças daquela faixa etária, 86, 9% estão na escola, o que representa aumento em relação a 2008, quando a taxa era de 76, 2%. Já entre aos adolescentes de 15 a 17 anos, a taxa de escolarização em 2009 ficou em 90, 6%. Em 2008, era de 84, 5%.
“A educação brasileira ainda está longe da ideal, mas nunca esteve tão bem”, afirmou o ministro da Educação, Fernando Haddad. Segundo ele, os números da Pnad são coincidentes com as estimativas do Ministério da Educação. “Se a tendência for mantida, a meta de universalizar o ensino dos quatro aos 17 anos até 2016 será alcançada.” No fim de 2009, foi aprovada a Emenda Constitucional 59, que estabelece o fim gradual da desvinculação das Receitas da União (DRU) para a educação e a ampliação do ensino obrigatório e gratuito a todas as etapas da educação básica.
Analfabetismo – A taxa de analfabetismo entre as pessoas de 15 anos de idade ou mais caiu de 11, 5% em 2004 para 9, 7% em 2009, sendo que o analfabetismo funcional, para essa mesma faixa etária, foi de 24, 4% para 20, 3%. O Nordeste teve o maior índice de redução da taxa de analfabetismo, de 22, 4% para 18, 7% no mesmo período.
De acordo com a meta estabelecida pela Conferência Mundial de Educação de Dacar, em 2000, os países comprometidos devem melhorar a taxa de alfabetização em 50% até 2015. O Brasil deve alcançar 6, 7% de taxa de analfabetismo. “A meta é factível, mas vamos ter que fazer esforço adicional para alcançá-la. Para isso, é preciso continuar apostando no regime de colaboração entre União, estados e municípios”, disse Haddad.
Escolaridade dos trabalhadores – Em 2009, 43, 1% da população ocupada tinham pelo menos o ensino médio completo, frente aos 33, 6% em 2004. Aqueles com nível superior completo representavam 11, 1% do total; em 2004, era 8, 1%. Nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, os percentuais de pessoas ocupadas com pelo menos o ensino médio ultrapassaram 40% em 2009.
Na visão de Haddad, a demanda por mão-de-obra qualificada deve aumentar. Por isso, segundo o ministro, a expansão da educação profissional e da superior ainda deve pautar as políticas públicas. “A demanda da sociedade moderna é por mais formação. O Brasil tem almejado deixar de ter desenvolvimento mediano.” A mostra da Pnad 2009 foi de 399.387 pessoas em 153.837 domicílios em todo o país.
Com informações do site do MEC

Imprimir