Por administrador em 26/fev/2010

CUT-DF cobra pendências deixadas por Arruda



Com o objetivo de posicionar o governador interino, Wilson Lima (PR), sobre as pendências dos acordos firmados durante o governo Arruda e a necessidade de seus cumprimentos, diretores da CUT-DF se reuniram com o chefe do Executivo, nesta quinta-feira (25), no Palácio do Buriti.

Na ocasião, a presidente da CUT-DF, Rejane Pitanga, reforçou o papel da Central e enfatizou a necessidade de que o governo mantenha um canal de interlocução permanente com o movimento sindical. “Especialmente porque temos datas-base de categorias a serem resolvidas”, afirmou.

Wilson Lima relatou as dificuldades que encontrou ao assumir o governo e disse que ainda está se situando sobre a real situação do GDF. O governador interino destacou que “Brasília está acima de tudo”. “Nossa missão agora é apartidária”, falou.

Professores – Inicialmente, foi abordada a questão do reajuste dos professores. Wilson Lima garantiu aos presentes que enviará, até o dia 13 de março, mensagem à Câmara Legislativa – com previsão já aprovada em orçamento – contemplando a última parcela do acordo feito ano passado com o governo. Isso quer dizer que a categoria receberá reajuste de 10, 04% já no pagamento de março.

Plano de Saúde – O segundo ponto de pauta disse respeito à implantação do plano de saúde para os servidores do GDF, uma pendência que já dura mais de 10 anos, mas que foi dada como “praticamente solucionada” durante o governo Arruda.

O secretário-geral da CUT-DF, Cícero Rola, destacou que o governo pode utilizar-se de uma medida emergencial, enquanto o processo licitatório não for finalizado, já que há orçamento aprovado na Câmara. “Uma das possibilidades, enquanto o processo de licitação para escolha do plano não acontece, seria que o governo pagasse aos servidores uma espécie de ‘benefício-saúde’. Não é o ideal, mas uma alternativa para que os servidores possam ingressar agora em algum plano de saúde”, sugeriu.

A CUT-DF ainda se comprometeu em encaminhar ao governo, até a próxima segunda-feira (1/03), um relatório completo discriminando todas as pendências dos acordos das diversas categorias que a Central representa.

Imprimir