Professores reivindicam benefícios atrasados em frente ao Buriti

Durante a manhã e início da tarde desta terça-feira(6), professores(as) e profissionais da saúde protestaram em frente ao Palácio do Buriti. As categorias reclamam de benefícios não pagos em dezembro.
Os(as) professores efetivos e temporários reivindicam o pagamento do 13° salário dos aniversariantes do mês de dezembro, a diferença do 13° salário para os(as) aniversariantes entre janeiro e agosto de 2014, além do pagamento das férias que está atrasado, previsto para segunda-feira (5).
Uma comissão formada por diretores do Sinpro, da CUT, do SAE (Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar) e do Sindsaúde (Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília) foi recebida por Hélio Doyle (chefe da Casa Civil), Marcos Dantas (Secretário de Relações Institucionais e Sociais) e Paulo de Oliveira (Secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão).
De acordo com o Secretário de Planejamento, o GDF está solicitando ao Governo Federal a antecipação de quase metade da parcela do duodécimo do Fundo Constitucional. Este montante, de acordo com o Secretário, seria para quitar apenas os salários das categorias. Ele apresentou números, apontando que a folha salarial dos profissionais de educação, saúde e segurança totaliza R$ 1,5 bilhão por mês, sendo que o governo só possui R$ 1 bilhão em caixa. O secretário afirmou que vai esperar o fluxo de entrada de arrecadação, no dia 10 de janeiro, para tentar resolver todas estas pendências, relativas ao mês de dezembro.
O Secretário Marcos Dantas sugeriu fazer outra reunião para discutir a possibilidade da prorrogação o inicio das férias (e assim como do ano letivo de 2015) dos(as) professores(as), com representantes do Sinpro e da Secretaria de Educação. A questão está sendo avaliada pela diretoria do Sindicato.
Plenária da CUT
Nesta quarta-feira (7), a CUT Brasília realizará uma plenária às 14 horas na sua sede, no Conic. Todos(as) os(as) trabalhadores(as) das categorias em que o GDF apresenta algum débito (professores, auxiliares de educação, saúde, terceirizados, dentre outras) devem comparecer. Nesta reunião, serão definidas ações conjuntas para pressionar o governo a resolver todas estas pendências.

Skip to content