Por administrador em 30/jun/2010

TCDF reprova situação das escolas



O Tribunal de Contas do Distrito Federal concluiu uma auditoria nas instalações físicas das escolas da rede pública da capital federal. A auditoria visitou escolas por três anos seguidos (2007, 2008 e 2009) e no primeiro ano foram analisados 61 colégios. Nos dois anos seguintes, 45 escolas foram vistoriadas. A principal conclusão do levantamento não é animadora: de 2007 a 2009 as instalações físicas da rede pública de ensino permaneceram praticamente inalteradas. Apenas no início de 2009 foram detectadas algumas melhorias.
Outras conclusões são, no mínimo, surpreendentes. Em 2009, 83% das escolas do ensino especial da rede não tinham instalações adequadas às suas atividades. Nas escolas de Educação Infantil esse índice foi de 77%. Já entre as escolas de ensino integral (em que os alunos ficam o dia inteiro no colégio), 80% não possuía refeitório. Dos 20% que o possuíam, as instalações estavam em condições ruins, segundos os técnicos do TCDF.
Bibliotecas e quadras esportivas também foram desanimadoras. Quarenta e oito por cento das escolas visitadas não tinham bibliotecas e 60% não tinham quadras de esporte. Entre os estabelecimentos com bibliotecas ou quadras, 34% ofereciam espaços danificados ou em condições ruins aos seus alunos. O problema é conhecido dos docentes. Perguntados pelo tribunal se as instalações de sua escola eram compatíveis com as atividades que ofereciam, 74% dos diretores reconheceram que não.
Para o TCDF ficou claro que o problema maior nas escolas é falta de recursos, seja para investimentos, seja para manutenção. Em 2006, apenas 1, 63% dos gastos da Secretaria de Educação e do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e da Valorização do Magistério) foram destinados a reformas e construções de escola. Em 2008, esse índice caiu para 1, 13%.

Imprimir