CEF Polivalente desenvolve projeto que relaciona voto à cidadania

O Grêmio Estudantil do Centro de Ensino Fundamental Polivalente, na 913 Sul, tomou posse nesta sexta-feira (8/4).O presidente eleito é Gabriel Lucas, do Partido das Causas Estudantis. O estudante do 9º ano e os demais integrantes da nova gestão do grêmio representarão os 1.050 alunos da escola.

Gabriel Lucas diz que pretende desenvolver uma série de projetos no CEF Polivalente, como feira de ciência e baile de formatura para estudantes do 9º ano. Desenvolto, ele encara o desafio com coragem e responsabilidade, consciente de que este processo de votação é, na verdade, uma experiência para a vida.

Lucas Gabriel, estudante do 9º ano do CEF Polivalente, eleito presidente do grêmio estudantil

 

“Estamos na beira: 14, 15 anos. Daqui a pouco, a gente vai ter que votar e dar nossa opinião”, disse ele se referindo às eleições gerais do Brasil.

Cativante, o estudante que agora é presidente do Grêmio Estudantil do CEF Polivalente mostra que está engajado não só com as causas dos alunos da escola, mas com um projeto de Brasil justo e igualitário.

“O Brasil que eu quero é um Brasil com igualdade social. Enquanto algumas pessoas moram em casas enormes, muita gente dorme na rua”, diz Lucas Gabriel, e alerta: “cada voto conta. A gente tem que colocar nossa opinião para que possamos melhorar o mundo”.

A eleição do CEF Polivalente é resultado do projeto “Eleições 2022 e o Exercício da Cidadania”. Criado em 2010 e realizado a cada quatro anos – culminando com as eleições gerais do país –, a proposta traz como um dos objetivos trabalhar a conscientização dos estudantes quanto à importância do voto para a definição dos rumos da história, sendo o povo o próprio protagonista.

“Queremos não somente formar alunos críticos, atuantes, mas também queremos que eles conheçam e reconheçam seu papel como cidadão no momento de escolher seus representantes em todas as esferas do país”, explica o professor Cleber Villa Flor, diretor do Centro de Ensino Fundamental Polivalente.

O gestor, que está há 13 anos à frente da escola, informa que o projeto é isento e autônomo de posições partidárias. “Nos procedimentos didático-pedagógicos, realizamos pesquisa sobre o processo de eleições no país, debatemos sobre o processo político democrárico, mas sem nunca induzir os estudantes. O projeto faz com que alunos enxerguem o que eles, enquanto cidadãos, podem fazer para provocar mudanças nas suas vidas e na vida de todas as pessoas”, diz Villa Flor.

O professor Cleber Villa Flor, diretor do CEF Polivalente, acredita que o projeto “Eleições 2022 e o Exercício da Cidadania” deixa o legado de conscientização e humanização

 

Trinta e quatro chapas concorreram no processo eleitoral para escolher a nova diretoria do Grêmio Estudantil do CEF Polivalente. Os integrantes propuseram não só o nome do partido que representariam, mas desenvolveram propostas, cumpriram regras e também estiveram submetidos a sanções, caso descumprissem os critérios estabelecidos. “Com certeza, aprenderam que o voto não é brincadeira”, analisa o diretor da escola.

Nas propostas apresentadas pelos candidatos e pelas candidatas, desde o cuidado com o espaço escolar até lutas que pautavam diversidade e equidade social. “Inclusão não é benefício, é um dever social”, estampava um dos cartazes de campanha afixado em um dos murais da escola.

Orgulhoso do projeto que envolveu todo corpo docente, o diretor Cleber Villa Flor acredita deixar um legado. “Se os estudantes fizerem o mínimo do que aprenderam com essa experiência, com certeza serão cidadãos mais conscientes e, principalmente, mais humanos”, avalia o professor, que finaliza sua fala dizendo: “educação é tão importante como respirar”.

Campanha
Está no ar a campanha “Ideia! Votar é massa”, do Sinpro-DF, que incentiva jovens de 16 e 17 anos a tirar o título de eleitor e fazer a diferença no processo eleitoral. Acesse a campanha no link https://www.sinprodf.org.br/campanha-incentiva-jovens-de-16-e-17-anos-a-tirar-titulo-de-eleitor-2/

No ranking das 27 unidades federativas do Brasil, o Distrito Federal é o nono pior na contagem final da emissão de títulos realizados durante a Semana do Jovem Eleitor, promovida pelo Tribunal Superior Eleitoral de 14 a 18 de março de 2022. Segundo o TSE, neste período, foram emitidos 1.338 títulos para jovens do DF com 15 a 18 anos. Quem mais se engajou na campanha foi São Paulo, com 18.186 títulos emitidos.

Ainda segundo o TSE, cerca de 10% dos jovens de 16 e 17 anos tiraram o título de eleitor neste ano: o pior percentual nos últimos 30 anos.

Jovens de 15 anos de idade que terão completado 16 no dia 2 de outubro e jovens até 18 anos poderão emitir título de eleitor até o dia 4 de maio.