UnB realiza seminário sobre o direito como liberdade

    De 11 a 13 de dezembro, será realizado na Universidade de Brasília (UnB) o Seminário Internacional O Direito como Liberdade: 30 anos de O Direito Achado na Rua. O evento se apresenta como um espaço com disposição e potencial para colecionar elementos temáticos e estéticos, modos de interpretar, de narrar e de instituir redes e plataformas para a conformação teórico-prática dos protocolos de pesquisa e extensão que se projetarão no tempo, refletindo sobre o atual momento de crise paradigmática do direito, dos direitos humanos e da sociedade brasileira.

    O seminário se constitui como um espaço de encontro e diálogo científico, institucional, social e cultural, proporcionando a troca de experiências acadêmicas e de assessorias jurídicas universitárias e advocacia popular em diversos campos temáticos e institucionais, se apresentando como espaço-tempo disposto a proporcionar a anunciação de modelos analíticos de impacto e potencial explicativo e de intervenção na realidade do direito, dos direitos humanos e da sociedade brasileira em perspectiva latino-americana. Reúne e difunde análises e experiências de assessoria jurídica a povos indígenas e comunidades tradicionais, proteção e combate à violência contra a mulher e à população LGBT, combate ao racismo e projeção de conceitos e práticas aptas ao reconhecimento das diversidades raciais, econômicas, sociais, étnicas, culturais, de gênero e sexualidades, em suas diferentes formulações semânticas sobre o direito em face dos espaços sociais, autoridades estatais e instituições judiciais.

    Clique aqui e confira a programação completa.

    Inscrições abertas para o seminário “As mulheres no mundo do trabalho” neste sábado (7)

    Neste sábado (7), a Secretaria das Mulheres Trabalhadoras da CUT Brasília realizará o Seminário As Mulheres no Mundo do Trabalho. A atividade, que integra a agenda de ações dos 21 Dias de Ativismo Feminista pelo Fim da Violência Contra a Mulher, terá a participação de uma série de organizações sindicais e da sociedade civil, o que viabilizará a abordagem das diversas realidades vividas pelas mulheres.

    🖊 A inscrição é gratuita e poderá ser feita aqui 👉🏿https://forms.gle/myZmteTGoS3ohR3L9

    ou AQUI

    Mudar a realidade das mulheres para defender a democracia! 💪🏾💜

     

     

     

    Greve dos trabalhadores da CEB continua

    Reunidos em assembleia nesta quarta-feira (4), trabalhadoras e trabalhadores da CEB decidiram manter o movimento iniciado ontem (3/12). Para a maioria da categoria, a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pela Companhia continua insuficiente.

    O contexto da greve dos cebianos é complexo. As políticas anti-trabalhadores, materializadas com a reforma Trabalhista, e a linha privatista adotada tanto pelo governo federal como pelo distrital suscitam um ambiente nada favorável à manutenção de direitos, muito menos de novas conquistas.

    Como exemplo da gravidade da situação, o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), considera as conquistas legais e legítimas garantidas pelos trabalhadores da CEB no ACT como “criminosas”, e se refere ao movimento grevista respaldado pela Constituição Federal como “injusto”. Os adjetivos descontextualizados têm um objetivo ainda maior: inflar o projeto de entrega da estatal ao capital provado. Longe de ser elucubração, a afirmação é feita a partir da fala do próprio governador, que disse iniciar agora atuação para “acelerar o processo de privatização da CEB”.

    Cientes da possibilidade iminente de prejuízos ainda maiores, a Comissão de Greve do Sindicato dos Urbanitários (STIU-DF) orientou na assembleia dessa quarta (4) a suspensão do movimento grevista. A indicação, entretanto, só foi feita após um longo processo de negociação, que assegurou alterações substanciais na proposta original de ACT apresentada pela CEB. Para se ter ideia, a intenção da empresa era retirar 22 cláusulas do acordo. Após as reuniões, apenas 2 passaram a não integrar o documento, uma que trata do piso profissional (negada pelo STF), e outra sobre a jornada de trabalho de 8 trabalhadores vinculados à CEB que atuam no posto do Na Hora, mudando suas jornadas de trabalho de 6 horas diárias para 8 horas.

    Com o esforço da Comissão de Greve e a mobilização da categoria, foi mantida, por exemplo, a cláusula que trata sobre a política de desligamento, que inibe demissão imotivada. Este é um direito histórico da categoria, e que a CEB tinha pretensões de extinguir.

    Ainda foi garantida a manutenção de auxílio-doença, a gratificação de férias no percentual de 60%, a liberação de 5 ao invés de 3 dirigentes sindicais (atualmente, a liberação é feita para 7 dirigentes), entre outros pontos.

    Outras cláusulas se mantiveram no acordo, mas com redução. É o caso do auxílio-creche/auxílio-babá, que era de R$ R$ 1.000 para crianças com até 6 meses, de R$ 357,27 para crianças de 7 meses a 3 anos, e de R$ 296,95 para crianças de 3 anos e um mês a seis anos. Após as negociações, o valor proposto foi de R$ 500 para crianças de até seis meses e R$ 250 para crianças de 7 meses a 3 anos. Entretanto, a proposta original da CEB era de extinguir o auxílio.

    Outra situação semelhante está na indenização por morte ou invalidez permanente. O benefício, que era de 60 vezes a remuneração do empregado, passou a ser de 30 vezes o mesmo valor.

    “Estamos abertos a continuar conversando e negociando com a Companhia, no sentido de fazer avançar, e esperamos que o GDF e a CEB sinalizem com avanços para que a gente possa resolver esse impasse. Continuamos na luta. Nosso dever é fazer o que a categoria decide”, afirma o diretor do STIU-DF João Carlos. Ele ainda afirma que, diante da decisão da categoria, é importante que todas e todos se mantenham unidos e atuantes nas ações diárias do movimento grevista.

    Com a vigência da reforma trabalhista, que impõe o fim da ultratividade, trabalhadores e trabalhadoras da CEB estão sem a garantia de qualquer cláusula do ACT, já que o prazo final do acordo se encerrou no último dia 30 de novembro, já com a prorrogação de 30 dias.

    Leia também

    Em greve, trabalhadores da CEB decidem rumos do movimento em assembleia nesta quarta (4)

    Fonte: CUT Brasília

    I Seminário de Violência e Gênero será na UnB nos dias 29 e 30/11

    “Violência e gênero – Mulheres, vulnerabilidades e violências”. Esse é tema do seminário a ser realizado nos dias 29/11, das 17h às 21h, e 30/11, das 8h30 às 18h, no Auditório Esperança Garcia (antigo Joaquim Nabuco), na Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB). O credenciamento poderá ser feito no dia 29/11, a partir das 17h. A abertura está prevista para começar a partir das 19h

    Trata-se de uma iniciativa do Instituto de Atenção, Defesa e Promoção dos Direitos das Minorias (IADP-Minorias); Comité de América Latina y el Caribe para la Defensa de los Derechos de las Mujeres (Cladem); Advogadas pela Igualdade de Gênero e Raça; Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFemea Feminista); Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal e Mulheres do PT-DF.

    A intenção é promover a análise dos fatores sociológicos que influem para o cenário de violência. Uma oportunidade de debater as ações e os mecanismos existentes para o enfrentamento à violência contra a mulher, os avanços e retrocessos nas políticas públicas construídas para a promoção da igualdade de gênero, os obstáculos jurídicos para uma adequada resposta do Estado ao crescimento dos registros de violência contra a mulher e, os equipamentos de apoio as vítimas.

    Serão cinco painéis distribuídos ao longo destes dois dias de encontro.

    Confira, a seguir, a programação:

     

    Exposição de arte Naif antecipa a consolidação de museu à céu aberto em Brasília

    No dia 5 de dezembro o brasiliense poderá conhecer parte do acervo que integrará o espaço Barthô-Naif, projeto de ocupação artística que está sendo implantado às margens do Rio São Bartolomeu. Na exposição “Literatura Brasileira – Uma visão Naif – Mostra literária do Cerrado e Coletiva Naifs Brasileiros”, com o apoio da Galeria André Cunha, de Paraty, Odécio abrirá ao público brasiliense parte do seu acervo pessoal que integrará o Barthô-Naif. São 40 obras temáticas em que artistas brasileiros do gênero, interpretam passagens de livros clássicos da literatura brasileira, parte da exposição realizada pela galeria Andre Cunha na Flip 2019, além de 24 telas de 12 artistas contemporâneos Naifs Brasileiros convidados.

    A exposição ocupará os amplos espaços do Mercado do Café, na 509 Sul, uma agradável cafeteria gourmet com uma carta de cafés de várias regiões do país, e  ficará em cartaz até o dia 31 de janeiro do ano que vem.

    Num momento em que o museu da arte Naif do Brasil, localizado no Rio de Janeiro, está fechado por falta de recursos, há quem esteja investindo em arte contemporânea e na formação de público e artistas no Distrito Federal.

    O Agrônomo Odécio Visintin Rossafa Garcia e a pedagoga Shirlene Miranda são os proprietários da Fazenda Barthô, uma área de 31 hectares reflorestada com cerrado às margens do Rio São Bartolomeu, que pretendem transformar em uma referência turística e social de bases comunitárias. Eles encomendaram ao arquiteto Lucas Calixto e à design Jurema Oliveira um plano diretor de construção que levou em conta o uso comunitário dos espaços, com anfiteatros, área de lazer, jardins temáticos, cozinha do cerrado e adega de bebidas produzidas no cerrado, além do museu propriamente dito. A beleza colorida e a “ingenuidade” da arte Naif serão o fio condutor da proposta, um mote da interação com os moradores da região, carentes de cultura e lazer.

     

    Serviço:

    Exposição “Literatura Brasileira – Uma visão Naif – Mostra literária do Cerrado e Coletiva Naifs Brasileiros”

    Coquetel de abertura – 05 de dezembro – Quinta,  às 19 h

    Local: Mercado do Café, 509 Sul.

    Para saber mais sobre o museu e a exposição, entrar em contato com Odécio Visintin Rossafa Garcia pelo telefone 99661-1935 ou pelo e-mail odeciorossafa@gmail.com.

    Um depoimento para o dia 20 de novembro

    No Dia da Consciência Negra, uma professora de Santa Maria foi homenageada em um projeto realizado pelo Centro Educacional 310 da mesma regional de ensino. Como desdobramento do projeto 365 dias de Consciência Negra, a direção do CED convidou vários profissionais para falar de suas experiências relacionadas ao tema. Uma das convidadas foi Mariana Almada, professora de Artes da UNIEB de Santa Maria.

    Durante conversa com os estudantes, Mariana trouxe o relato de uma mulher negra, empoderada e que trabalha o tema há muitos anos. Como agradecimento, ela foi capa de uma das provas do quarto bimestre. “Há 22 anos venho tratando do tema e nunca soube como isto reflete nos estudantes. Quando me vi na capa da prova e reconhecida, senti na pele o que estes meninos sentem quando são reconhecidos. Nunca tive este reconhecimento quando estudava e agora vejo o quanto é importante. Hoje temos a oportunidade de empoderar os estudantes e mostrar a riqueza da cultura negra”, ressalta a professora.

    O Dia Nacional da Consciência Negra é celebrado, no Brasil, em 20 de novembro. Foi criado em 2003 e incluída no calendário. A ocasião é dedicada à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir com o dia atribuído à morte de Zumbi dos Palmares, em 1695, um dos maiores líderes negros do Brasil que lutou pela libertação do povo contra o sistema escravista.

    Professora lança documentário sobre Dulcina de Moraes

    O Sinpro convida todos (a) da categoria para o lançamento do documentário “Dulcina’’ no próximo dia 26 de novembro às 18 horas, no espaço Cine Brasília.

    A obra é de autoria da professora Glória Teixeira, que trás à trajetória do teatro brasileiro desde a década de 30 até os dias atuais, através de imagens de arquivo, depoimentos e cenas ficcionais. Dentre os depoentes estão Fernanda Montenegro, Nicete Bruno, Françoise Forton, Emiliano Queiroz, Murilo Rosa, dentre outros ícones da cultura brasileira.

    Dulcina de Moraes contribuiu para a formação de centenas de professores e artistas dessa cidade, incluindo os 180 primeiros professores de artes de Brasília.

    Entrada franca, participe!

     

     

     

     

    Avante-UnB promove palestra “Futebol, cultura e politica”

    “Futebol e política não se misturam!”  É comum ouvir esta afirmação, inclusive, entre atletas e jornalistas esportivos. No entanto, essa alegação não sobrevive ao exame das circunstâncias históricas, que demonstram que o esporte está muito próximo à política, especialmente no Brasil, se analisado o futebol do país.  Pensando nisso, o Grupo de Pesquisa e Formação Sociocrítica em Educação Física, Esporte e Lazer da Universidade de Brasília (Avante-UnB) promoverá a palestra “Futebol. cultura e política”.

    O debate acontecerá no dia 21/11, a partir das 14h, no Auditório Memorial Darcy Ribeiro, na UnB  (Beijódromo).

    A discussão contará com a participação do jornalista esportivo Juca Kfouri, conhecido por suas análises críticas sobre esporte e futebol brasileiro.

    https://forms.gle/SkVibHBdowbCcrtH8

    avante impressao

    Escola Sem Sentido convida educadores para compartilharem suas histórias

    O Escola Sem Sentido convida educadores(as) que possam ter vivido situações de censura por parte de pais, estudantes ou escola a compartilharem suas histórias.

    Seus relatos são importantes para aquecer o debate e impulsionar a visibilidade da campanha. Estamos em busca de professores que possam compartilhar seus relatos de maneira anônima ou não no nosso site.

    Acesse o link para saber como: https://escolasemsentido.com.br (se você não quer ser identificado, basta colocar ‘anônimo’ no campo de nome).

    Para saber mais sobre o lançamento do curta, acompanhe a campanha no:
    Facebook (https://www.facebook.com/escolassentido/)
    Instagram (https://www.instagram.com/escola_sem_sentido/)
    Twitter (https://twitter.com/escolassentido)

    Concurso para seleção da identidade visual do Centro de Memória(s) do Elefante Branco

    O Centro de Ensino Médio Elefante Branco realiza um concurso para selecionar uma logomarca alusiva à identidade visual para o Centro de Memória(s) do Elefante Branco. Poderão participar do concurso a comunidade escolar do CEMEB (estudantes atuais e egressos; pais, mães e/ou responsáveis), além de servidores e docentes ativos ou aposentados da escola.

    Serão aceitas propostas originais e inéditas, consonantes com a finalidade do concurso, produzidas por iniciativa dos participantes e inscritas individualmente. As inscrições ocorrerão de 13 a 27 de novembro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 14h às 17h, na Supervisão Pedagógica do CEMEB. As inscrições são gratuitas.

    O Centro de Memória(s) do Elefante Branco é resultante de uma parceria entre a Universidade de Brasília e o Centro de Ensino Médio Elefante Branco. Consiste em um espaço de identificação e valorização da história e memória desta instituição escolar, a ser instalado nas dependências do CEMEB, possibilitando ações de extensão, pesquisa e ensino que tomem como mote o acervo escolar e permitam reconhecer a relevância histórica da instituição para as memórias do Distrito Federal.

    São ações previstas o mapeamento e uso de fontes documentais; a constituição de uma exposição sobre os processos de resistências e o protagonismo de estudantes e servidores do CEMEB; além de um cronograma de atividades  educativas que envolva todos os segmentos da comunidade em torno de debates sobre identidade, memória, história local e patrimônio.

    Clique aqui e confira o edital.