Por administrador em 11/set/2014

Terceirizados paralisam serviços em escolas, Hospital de Base e Farmácia do Sia



Cansados das desculpas esfarrapadas da Empresa Juiz de Fora quanto aos constantes atrasos nos salários, auxílio alimentação e vale transportes, mais de 300 trabalhadores decidiram por aclamação paralisar os serviços de limpeza e conservação nas Escolas Públicas do Distrito Federal (DF), no Hospital de Base de Brasília (HBB) e na Farmácia Ambulatorial do Sia, a partir desta quarta-feira (10). A decisão foi tomada em assembleia na tarde de terça (9), após infrutífera audiência de conciliação no Ministério Público do Trabalho (MPT), que reuniu os representantes da Secretaria de Saúde do DF, proprietários da empresa Juiz de Fora e diretores do Sindiserviços-DF, o sindicato da categoria.

No contrato com a Secretaria de Estado da Educação do DF (SEE), a empresa emprega cerca de três mil profissionais e no contrato com a Secretaria de Saúde são quase 480 pais e mães de família que praticamente estão vivendo com a ajuda de parentes, amigos e vizinhos.

A procuradora do Trabalho, Daniela Costa Marques, foi enfática ao explicar aos trabalhadores que lotavam o auditório do MPT, que a audiência era para tratar especificamente da questão dos trabalhadores que prestam serviços na Saúde, que estão com salários do mês de agosto atrasados. Os trabalhadores da Educação, que também vivem o mesmo drama e são empregados da mesma empresa, contudo, assistiram também à reunião

A empresa insistiu em empurrar o problema para a Secretaria da Saúde, querendo antecipar repasses contratuais. Empregados da Juiz de Fora e não do governo, os trabalhadores exigem a remuneração pelo trabalho realizado, entendendo que não devem ser envolvidos nas questões contratuais entre empresa e governo. Com base nesse entendimento, a direção do Sindiserviços-DF colocou a proposta de greve geral a partir desta quarta-feira 10, que foi aprovada por unanimidade.

Os trabalhadores também aprovaram que só retornarão para seus postos de trabalho mediante o recebimento dos seus direitos que são garantidos e assegurados pela Convenção Coletiva de Trabalha e pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Fonte: Sindiserviços

Imprimir