Por administrador em 09/nov/2009

Seminário enfatiza importância da luta feminina



A luta pela divisão sexual do trabalho, por representação política e pela igualdade de direitos entre homens e mulheres foram causas históricas travadas ao longo dos séculos. Mesmo com as conquistas e espaços alcançados nos âmbitos legislativo, judiciário e executivo, nas hierarquias religiosa e militar, além da conquista do mercado de trabalho, as mulheres ainda buscam mais espaço. Foi com esta preocupação que várias professoras e estudiosas se reuniram na sexta-feira, 06, na sede do Sindicato dos Professores no Distrito Federal, para o 1º Seminário de Mulheres Educadoras do Sinpro cujo tema foi “Mais mulheres no poder, mais poder para as mulheres”.
A assessora parlamentar do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Patrícia Duarte Rangel, a secretária-executiva do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Arlete Sampaio, e a presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-DF), Rejane Pitanga, abordaram vários temas e metas para garantir cada vez mais a participação da mulher nos espaços de poder e em todas as instâncias da sociedade.
Durante o seminário, que além da presença de diversas professoras contou com a participação de diretores do Sinpro-DF, foram discutidos “O mundo político visto sob a ótica feminista”, “Mecanismos para ampliar a participação das mulheres nos espaços sindicais”, e “As mulheres na gestão das políticas públicas”. Ao final do evento propostas foram levantadas pelos participantes e serão discutidas durante o 4º Encontro de Mulheres Educadoras, que será realizado em março de 2010. Entre as propostas estão a importância da mulher na mídia e na política, a mulher negra, a saúde e os direitos reprodutivos da mulher; a mulher na preservação do planeta; o incentivo para que as escolas incluam a Lei Maria da Penha no currículo pedagógico; divulgação nos meios de comunicação das “Boas Práticas da Aplicação da Lei Maria da Penha”; indicação literária e experiências positivas da ampliação da participação política da mulher nos espaços de poder no Jornal Sinpro-Mulher; curso de oratória para mulheres; formação de negociação coletiva; e a discussão do tema com as Promotoras Legais Populares (PLP’s).
De acordo com a presidente da CUT-DF, a reviravolta feminina pode ter início a partir do próximo ano. “Acho que temos um enorme desafio pela frente. No próximo ano, nas eleições, temos de refletir muito, pois temos uma responsabilidade muito grande e queremos avançar colocando mais mulheres no poder. Nosso compromisso é de mudar a vida de outras mulheres”, argumentou Rejane Pitanga. É importante salientar que mesmo a população feminina sendo a maioria e ocupar quase a metade da classe trabalhadora, ainda recebe salários inferiores aos dos homens e exerce pouco espaço nas decisões políticas.
” Este 1º seminário é relevante, pois nos empodera para o debate por mais espaços de poder e decisão. Nós educadoras, temos que ser protagonistas, e a escola pode ser o ponto de partida, do fortalecimento da luta pela implementação de polítcas públicas que promovam a igualdade para todos e todas. 2010 será um ano que teremos um papel muito significativo, mais mulheres no poder, para que as políticas, que norteiam nossas vidas, tenham também o olhar e a decisão das mulheres, ” afirma a coordenadora da Secretaria de Mulheres do Sinpro, Eliceuda França.

Imprimir