Por administrador em 06/fev/2014

Pais dormem na porta da CEF 306 Norte para tentar vaga para filhos



Um grupo de pais dormiu em frente ao  ao Centro de Ensino Fundamental 306 Norte, para tentar uma vaga dentre as remanescentes, disponibilizadas na manhã desta quinta-feira (6). A maioria deles reclamou que, apesar da espera, não conseguiu solucionar o problema. O secretário de Educação, Marcelo Aguiar, afirmou que, pelo sistema, todas as demandas de matrículas foram atendidas. Ele disse ainda que vai participar de uma reunião antes do horário de almoço para descobrir o que pode ter ocorrido.

À espera desde 4h, o servidor da Universidade de Brasília Manoel Torres diz que não tem outra opção de escola para o filho. A família mora no Guará e há mais de uma semana vai ao colégio perguntar por vagas para a criança, que vai fazer o 6º ano.

“As informações que passam para a gente são muito confusas. Eu me senti desrespeitado pelo próprio governo”, desabafou.

A secretaria disse que a recomendação para os estudantes que ainda desejam vaga em escola pública é se dirigir a Coordenação Regional de Ensino e verificar as disponibilidades existentes. Todos os estudantes em idade escolar, para séries da educação básica, têm a garantia por lei, de matrícula em escola pública.

Menos espaço

Um cartaz exposto na porta do colégio afirma que quatro das dez salas da instituição não poderão ser usadas no momento, porque estão em obras. O secretário disse que a interrupção é temporária, já que as obras acabam em breve.

Por e-mail, a pasta informou que os reparos na escola precisaram de dois dias além do previsto no calendário para conclusão. Na sexta, segundo a secretaria, as salas estarão liberadas. As atividades que não puderam ser realizadas serão repostas ao longo do ano.

(Com informações do G1)

Imprimir