Por administrador em 18/set/2013

Orçamento de 2014 prevê R$7 bilhões em investimentos



Os investimentos em várias áreas de governo em 2014 deverão chegar aos R$7 bilhões, valor considerado recorde pela Secretaria de Planejamento e Orçamento, que prevê um orçamento de cerca de R$35 bilhões para o próximo ano, valor 9,5% maior do que o previsto para 2013. “Em 2014, pela primeira vez, vamos superar o orçamento de custeio e fazer com que os investimentos permitam a melhora da qualidade de vida da população. Isso é fruto de mecanismos para melhorar a arrecadação”, destacou hoje o secretário de Planejamento e Orçamento, Luiz Paulo Barreto, durante coletiva de imprensa no Palácio do Buriti.

O Projeto de Lei Orçamentária prevê R$21,4 bilhões em arrecadação, R$11,6 bilhões do Fundo Constitucional do DF e R$1,9 bilhão provenientes das empresas estatais em que o DF detém a maioria do capital social com direito a voto.

De posse desse capital, o GDF prevê um ritmo mais acelerado de investimentos, principalmente na área Social, com a construção de centros de convivência do idoso, restaurantes comunitários, creches e unidades de acolhimento.

Na área de Infraestrutura, a previsão é a ampliação do sistema de esgotamento sanitário, construção de unidades habitacionais, construção de vias, implantação de ciclovias e terminais rodoviários.

Áreas prioritárias também receberão investimentos: a Saúde terá R$2.704 bilhões; a Educação contará com orçamento de R$4.049 bilhões; e o Transporte R$2,4 bilhões.

DESTAQUE – O Fundo Constitucional previsto para o próximo ano, que chega a R$11,6 bilhões, é o maior desde 2010, quando foram destinados, apenas, R$7 bilhões. Comparados aos números deste ano, o valor de 2014 terá crescimento de 9,06%.

Os recursos são consignados no Orçamento Geral da União e se destinam ao custeio das despesas das polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, além da assistência à Educação e à Saúde.

De acordo com Barreto, o orçamento do próximo ano contemplará, também, todos os acordos de reajustes firmados com as mais variadas categorias do funcionalismo público local. “Vamos, com esse orçamento, honrar os compromissos de reajustes salariais e as novas constatações serão analisadas caso a caso, e deverão ser feitas com cautela, sempre em áreas prioritárias como Saúde, Educação e Segurança”, acrescentou.

O secretário de Planejamento lembra que o maior valor de arrecadação se deve aos mecanismos utilizados pela Fazenda Pública para recolher os impostos, com destaque para os programas “Nota Legal” e “Recupera-DF”.

Com informações da Agência Brasília

Imprimir