Por Luis Ricardo em 18/ago/2017

O Governador Rollemberg governa para quem?



Nos dirigimos ao senhor, governador Rodrigo Rollemberg para que não puna a população com o descaso no serviço público. A responsabilidade pelo caos em que vive a cidade é sua. Vivemos um sentimento de abandono do serviço público, que preocupa a todos nós brasilienses.

A população do DF tem sentido na pele o prejuízo causado pelo descaso com o serviço público do Distrito Federal. Há uma deterioração nítida em todas as áreas do serviço público, especialmente em áreas essenciais como na saúde, educação e na cultura. Privatização do Hospital de Base, filas em hospitais, falta de materiais, equipamentos sem manutenção fazem a saúde pública viver seu pior momento da história recente. Ameaças de implementação de OSs, privatizações e desmontes na educação também proliferam, sem falar no abandono de espaços culturais históricos da cidade como Espaço Cultural Renato Russo na 508 Sul e do próprio Teatro Nacional.

A cada dia que passa fica mais claro que o Governador Rollemberg não governa para o povo, na medida em que escolhe o servidor público como seu principal inimigo. Logo quem faz com que o serviço público seja efetivado, independente de governos de plantão, permitindo o desenvolvimento da cidade. São mais de 140 mil servidores trabalhando em Brasília que estão vendo seu salário ficar defasado com perdas para inflação acumuladas durante toda a gestão do governador Rollemberg para além do calote de acordos firmados anteriormente pelo GDF. Para piorar, o governador anunciou a possibilidade de parcelamento do salário dos servidores públicos de Brasília.

A educação e a valorização dos seus profissionais precisam ser prioridades sempre. Todos os profissionais passaram pela educação básica. Entretanto, desde que entrou no Governo mente e repete a mentira de falta de recursos para não cumprir as leis 5.105/2013 (Atualização da tabela), 840/2011 (Pecúnia dos aposentados) e 5.108/2013 (reajuste do auxilio alimentação), mesmo após duas greves feitas pelos professores na gestão Rollemberg.

Somos mais de 40 mil professores e orientadores na Secretaria de Educação do Distrito Federal. Uma categoria forte capaz de reunir em suas assembleias milhares de trabalhadores da educação, portanto, uma força considerável no serviço público do DF, com forte interlocução com a comunidade escolar e a sociedade de modo geral, mas que mesmo assim não é atendida pelo Governador.  Das 29 carreiras de ensino superior que compõe a média das remunerações da Meta 17 do PDE, estamos em um dos últimos lugares se compararmos o vencimento básico.

No próximo dia 22 reuniremos na sede do Sinpro-DF parlamentares, entidades, sindicatos e movimentos populares para organizar a Frente em Defesa do Serviço Público. Os servidores vão lutar para que a população não seja mais uma vez punida pelas escolhas políticas do governador.

Brasília 18 de agosto de 2017

Diretoria do Sinpro-DF

Imprimir