Por administrador em 10/dez/2009

Milhares de manifestantes pedem a saída de Arruda



Milhares de manifestantes se reuniram nesta quarta-feira (9), na Praça do Buriti, para exigir o impeachment do governador do DF, José Roberto Arruda, e seu vice, Paulo Octávio. Durante o “Ato contra a corrupção: fora Arruda”, organizado pelo Movimento Contra a Corrupção – formado pela CUT e demais centrais sindicais, movimentos estudantil e social e partidos políticos – o que se pôde constatar foi a indignação da população com as ações de corrupção do governo local.

“Esta será uma longa jornada. O governo está articulando sua base na Câmara Legislativa para sair sem punição deste esquema”, alertou a presidente da CUT-DF, Rejane Pitanga. Para Pitanga, este também foi um movimento vitorioso pela quantidade de pessoas que se uniram na “luta pela dignidade do DF”.

Durante o “Ato contra a corrupção: fora Arruda”, que contou com a apresentação de teatro e animação musical, ainda foram recolhidas assinaturas para endossar o abaixo assinado pelo impeachment de Arruda e Paulo Octávio, organizado pelo Movimento Contra a Corrupção.

As assinaturas vêm sendo recolhidas deste o último dia 2 em todas as cidades do Distrito Federal.

Repressão policial
Ao final do ato, grande parte dos manifestantes decidiram tomar as ruas de Brasília para denunciar à população o esquema de arrecadação e distribuição de propina envolvendo Arruda, Paulo Octávio e dez parlamentares da base aliada. Entretanto, o movimento foi brutalmente coibido por policiais militares e soldados do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

“Não queremos ação de truculência. Estamos aqui em um ato pacífico. A polícia serve para garantir a segurança de todos”, discursou Rejane Pitanga do carro de som. Mas a intenção da presidente da Central de impedir a agressão da polícia foi abafada por cachorros, bombas, cavalos e cassetadas de policiais.

Nem mesmo a caminhada dos manifestantes pela grama foi aceita pela tropa, que cercou o grupo e distribuiu jatos de spray de pimenta nos jornalistas e fotógrafos que pretendiam noticiar o fato. Até mesmo uma menina de 12 anos que acompanhava a irmã mais velha na manifestação ficou ferida por cassetadas nas canelas.

Próxima ação
As ações de repressão não estão intimidando os manifestantes que exigem a saída de Arruda do poder. A próxima ação do Movimento Contra a Corrupção será neste sábado (12). Neste dia, centenas de pessoas realizarão uma carreata que terá concentração às 9h no estádio Mane Garrincha e seguirá até a Residência Oficial de Águas Claras. “Esta será a maior carreata que Brasília já viu”, prometeu a presidente da CUT-DF.

Imprimir