Por administrador em 04/nov/2014

Livro “Comunicação dos Trabalhadores e Hegemonia” confronta a mídia burguesa



livrovito

O escritor Vito Giannotti, coordenador do Núcleo Piratininga de Comunicação – NPC, lança nesta quinta-feira (6) mais um livro sobre a importância da comunicação dos trabalhadores para a transformação da sociedade. Esse tema tem pautado sua atuação e de todo o NPC nos últimos 20 anos, com a promoção de cursos, palestras e seminários pelo Brasil inteiro. A obra intitulada “Comunicação dos Trabalhadores e Hegemonia” apresenta reflexões sobre diversos conceitos, como o de hegemonia, pensado por Marx, Lenin e Gramsci. Também nega veementemente o mito da neutralidade dos meios de comunicação e explica porque considera a mídia o verdadeiro partido da burguesia. O lançamento será na Cinelândia, Rio de Janeiro.

Além de apresentar uma sólida base teórica, “Comunicação dos Trabalhadores e Hegemonia” oferece dicas práticas aos sindicatos e movimentos populares que desejam construir e aprimorar seus veículos de informação. Aborda, portanto, os meios impressos, rádios, TVs e internet, pensando em como aperfeiçoar desde a pauta até a linguagem e a diagramação, para que esses veículos sejam atrativos e compreendidos pela maioria da classe trabalhadora.

O jornalista e professor da Universidade Federal Fluminense – UFF, Dênis de Moraes, assina a orelha do livro, que ainda conta com comentários dos jornalistas Laurindo Leal Filho, Beto Almeida e Hamilton Octavio de Souza. A jornalista e professora de história Claudia Santiago, também coordenadora do NPC, explica na apresentação da obra: “Giannotti acredita que as ideias dominantes na sociedade são as ideias da classe dominante. E estas são transmitidas para toda a sociedade pelos ‘meios de comunicação dos patrões’, como enfatiza em seus inúmeros artigos e palestras. Ele não acredita que sindicatos e movimentos sociais devam implorar ou pagar por pequenos espaços nos jornais da burguesia que, na visão de Vito, defendem única e exclusivamente os interesses da classe patronal. Defende que estes devem ter seus próprios instrumentos de comunicação – jornais, rádios, TVs, redes sociais”.

O livro é voltado para professores de comunicação, estudantes, sindicalistas, militantes sociais e todos aqueles interessados em entender a importância dos meios de comunicação na formação das ideias e na prática social. Custa R$ 25 e está à venda na Livraria Antonio Gramsci, que fica na Rua Alcindo Guanabara, 17, térreo, Cinelândia (fundos do prédio). Interessados em adquirir podem também solicitar pelo e-mail livraria@piratininga.org.br. Outras informações pelos telefones (21)2220-4895 e 2220-4623.

Breve perfil
Vito Gianotti

Vito Giannotti é um dos coordenadores do Núcleo Piratininga de Comunicação – NPC, entidade que oferece cursos e seminários sobre comunicação sindical e popular no país inteiro. É autor de mais de 20 livros, entre eles “O que é jornalismo sindical” (Ed. Brasiliense), “Comunicação Sindical: a arte de falar para milhões” (Ed. Vozes), “Muralhas da Linguagem” (Ed. Mauad), “História das Lutas dos Trabalhadores no Brasil” (Ed. Mauad) e “Dicionário de Politiquês” (Ed. NPC). Também é colunista do jornal Brasil de Fato e colaborador de diversas mídias no país inteiro. O escritor é também ajudou a fundar a CUT, em 1983.

Nascido na Itália, Giannotti chegou ao Brasil em 1964, onde foi trabalhar como metalúrgico, em São Paulo. Fez um ano de sociologia, fez uma pausa para atuar politicamente e nunca mais parou. Giannotti militou intensamente no movimento sindical no início dos anos 1990.

Vito Giannotti já ministrou alguns cursos na CUT Brasília e sindicatos filiados. O mais recente foi realizado em setembro de 2013, quando cerca de 100 pessoas participaram do curso “Atualização em Comunicação Sindical”, realizado em parceria com o Sindicato dos Jornalistas e Sindicato dos Bancários de Brasília.

Imprimir