Por administrador em 05/jun/2014

Juventude se reúne em festival no Gama para debater contexto rural



Sob o lema “Juventude do campo na luta por mais direitos; Por terra e sucessão”, cerca de 100 jovens participam do Festival da Juventude Rural do Centro Oeste. O evento, organizado pela Contag, Fetadfe e STTRs, ocorre entre os dias 6 e 8 de junho, no Centro de Eventos Divino Paraíso, no Gama.

O objetivo é construir um marco referencial, estimulando o debate dentro do movimento sindical rural e nas ações governamentais, sobre direitos, políticas públicas de juventude e sucessão rural, na perspectiva da construção de políticas estruturantes e diferenciadas que contribuam com a permanência da juventude no campo com dignidade e qualidade de vida.

“Pretendemos construir, durante o encontro, uma agenda política da juventude rural do Centro Oeste, que será expressa na Carta da Juventude, na perspectiva de fortalecer a participação de jovens nos diferentes níveis de governo”, informou a secretária de Juventude da Fetadfe, Luana Araújo. A Carta apresentará as bandeiras de luta e reivindicações que se colocam como demandas urgentes da juventude trabalhadora rural brasileira, como uma reforma agrária ampla, massiva e de qualidade, políticas públicas, trabalho e renda e meio ambiente sustentável.

A secretária de Jovens Trabalhadores(as) Rurais da Contag, Mazé Morais, participará do evento. Segundo ela, “as expectativas para este encontro são muito positivas. Vamos tratar de temas importantes, como a luta por terra e a sucessão rural, além de dialogar sobre as dificuldades desses jovens para se manterem no campo. Estão todos muito animados”.

Participação sindical

A juventude rural sempre esteve presente na trajetória de luta e organização do movimento sindical de trabalhadores e trabalhadoras rurais.

Prova disso é a instituição da cota de no mínimo 20% de jovens nas direções sindicais, o que tem gerado condições justas de participação do segmento, além de possibilitar a renovação de quadros e de práticas políticas no contexto da ação sindical.

O secretário de Juventude da CUT Brasília, Douglas de Almeida, lembrou que a “juventude rural é referência para todo o movimento sindical pela ousadia em avançar no debate sobre cotas e, efetivamente, implantá-la em suas instâncias”. Para o dirigente, a juventude está organizada e tem uma grande capacidade de pensar a vida no campo, a partir da atuação sindical, como algo mais estrutural. “A constituição das cotas representa um importante passo para a construção de um sindicalismo com renovação permanente, democrático e participativo”, disse.

Leia também:

>>> A experiência bem sucedida com jovens do campo

Secretaria de Comunicação da CUT Brasília

Imprimir