Por administrador em 25/ago/2014

Jogos melhoram comportamento e assimilação do conteúdo



Ensinar habilidades socioemocionais, como disciplina, organização, cooperação e autocontrole, pode ser mais fácil com a ajuda de jogos. Professores ouvidos pelo UOL afirmaram que essa prática melhora o comportamento dos alunos e a assimilação do conteúdo.

“Os que estimulam a violência e a agressividade para resolver problemas não são adequados. Mas aqueles que ajudam a seguir regras, comunicar-se, negociar e resolver problemas são muito bons”, diz Alessandra Turini Bolsoni Silva, professora de psicologia clínica e do desenvolvimento da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo), de Bauru.

As escolas Cruz de Malta e Padre Moye, em São Paulo, contam com a metodologia da Mind Lab, empresa israelense que utiliza jogos de raciocínio para o desenvolvimento dessas habilidades.

Os professores têm encontros de 45 minutos por semana com os alunos nas chamadas aulas de “Mente Inovadora”, onde introduzem os conceitos de jogos de tabuleiro como bloqueio, damas, octi e abalone.

Leila Romero, docente de matemática na Cruz de Malta, afirma que houve um estranhamento quando sua escola aderiu ao programa. “Tudo que é novo assusta um pouco. Os pais perguntavam o que era isso, se seus filhos teriam aula de jogo”, diz. “Mas sempre quis implementar jogos em sala porque tem tudo a ver com o desenvolvimento de raciocínio.”

Elizabete Márcia, professora de matemática e ciências na escola Padre Moye, ensinou a metodologia com jogos de tabuleiro para seus alunos no 2º ano do ensino fundamental e conseguiu acompanhar o desenvolvimento deles ao longo de sete anos.

“Pude perceber um crescimento emocional e social. Além da melhor assimilação dos conteúdos, eles estão aprendendo a ter atenção antes de tomar qualquer atitude”, avalia.

As escolas parceiras do projeto participam de uma Olimpíada Internacional, onde alunos de vários países que utilizam a metodologia com os jogos se reúnem para reforçar os conceitos aprendidos em sala de aula. As duas equipes brasileiras que disputaram a competição foram premiadas.

Conheça alguns métodos de habilidades socioemocionais
  • Método do semáforo

    Ajuda a organizar os pensamentos e agir de forma consciente e com responsabilidade, assim como o semáforo orienta o trânsito. Habilidades envolvidas: Prestar atenção no entorno; distinguir características relevantes das irrelevantes; fazer escolhas a partir dos dados; elaborar um novo plano diante de mudanças no contexto; parar antes de agir (controlar a impulsividade) e atuar de maneira crítica

  • Método do detetive

    Contribui na investigação de uma situação-problema para produzir pistas que possibilitam criar soluções. Habilidades envolvidas: Localizar a situação-problema; compreender que uma situação-problema pode ser decomposta em desafios menores; elaborar questionamentos como recurso para construir hipóteses e estabelecer conexões entre as pistas para encontrar soluções

  • Método da escada

    Permite progredir passo a passo para atingir um objetivo. Cada etapa concluída auxilia a chegar a outra etapa, mais próxima do objetivo final. Habilidades envolvidas: Ter clareza do objetivo a ser alcançado; reconhecer a necessidade de um plano seriado de ações e resolver problemas passo a passo, através de uma sequência correta de ações

  • Método das aves migratórias

    Contribui para atingir os objetivos grupais e individuais por meio do trabalho em equipe, em um clima de cooperação. Habilidades envolvidas: Refletir sobre o trabalho em grupo e o valor de cada membro em uma equipe; construir estratégias que desenvolvam a cooperação e a harmonia entre os componentes de uma equipe e conciliar os objetivos do grupo

  • Método do espelho

    Implica na disponibilidade interna para se olhar e admitir fracassos e êxitos, colaborando para romper esquemas de pensamentos e superar barreiras emocionais para a construção de um esforço consciente que promova mudanças estruturais internas. Habilidades envolvidas: Reconhecer o fracasso, lidar com a frustração, não ter medo de errar; superar barreiras emocionais e reconhecer o êxito

    Fonte: UOL Educação

Imprimir