Por administrador em 21/dez/2009

Isso é José Serra: professores registram BO por erro em concurso de SP



Mais uma do governo José Serra, que se notabilizou por divulgar cartilhas com erros crassos para os alunos da escola pública: na prova para professor substituto os professores de Física receberam a prova de Química. Vale lembrar que o secretário de Educação é Paulo Renato, ex-ministro do governo tucano de FHC. Veja a matéria:

Mais de 50 professores que pretendiam dar aulas de física nas escolas estaduais do Estado de São Paulo, vão ter que esperar um pouco mais. Ao invés da prova de física, eles receberam a prova de química no concurso realizado hoje pela Vunesp, em Bauru, no interior de São Paulo. O erro foi descoberto nas salas 13 e 14 da Faculdade Anhanguera, local das provas. Os candidatos prejudicados registraram boletins de ocorrência (BOs) na própria faculdade e na Delegacia Seccional. Na sala 13 estavam 39 candidatos às vagas de professores substitutos de física. Já na sala 14 compareceram 40.

“Faltaram 12 provas de física na sala 13, a Vunesp quis xerocar as provas que faltavam para os 12 candidatos. Eles não concordaram porque a prova era muito longa, com mais de 20 páginas cada uma e isso poderia atrasar os exames”, afirmou Suzi da Silva, de 44 anos, diretora regional do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp).

Os 40 professores da sala 14 também ficaram surpresos quando constataram que haviam recebido a prova errada: eles esperavam o exame de física e receberam o de química. “Os professores leram e perceberam o erro. Eles chamaram os fiscais, que viram que a prova não era de física e, sim, de química. Por causa da falha, os professores não fizeram a prova”, disse a coordenadora, acrescentando que 52 professores foram prejudicados. O salário do cargo é de R$ 922.

A representante da Apeoesp acompanhou o grupo que deu queixa na polícia após a realização do concurso. “Acompanhei 40 professores, quatro registraram boletim na Faculdade Anhanguera e 36 na delegacia. Precisamos preservar os direitos dos professores.” Suzi criticou a Vunesp pelo erro e aproveitou para alfinetar o governo estadual: “Se houve falha a culpa é da Vunesp. O governo do Estado tem que resolver essa situação.”

Por meio de nota, a Vunesp admitiu “problemas técnicos” e que uma nova prova para os candidatos será marcada. A data será divulgada nos próximos dias pela internet (www.vunesp.com.br). Segundo a Vunesp, o total de candidatos foi 60, e não 79. Ao todo, 800 se inscreveram para o concurso.

Imprimir