Por Maria Carla em 22/set/2017

Indígenas querem parceria com professores no Projeto Vivência Kariri-Xocó



A comunidade indígena Kariri-Xocó está com projeto de divulgação cultural e busca parceria com professores e professoras das escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal. Com o título Vivência Kariri-Xocó, os povos dessa etnia pretendem levar aos/às estudantes de Ensino Fundamental e Médio regular e da EJA a sua cultura com apresentação de palestras sobre a história e a resistência indígenas desde o Descobrimento do Brasil até hoje, além de cantos e danças, artesanatos, culinárias e oficinas de outras atividades tradicionais.

Contudo, mais do que divulgar a história de resistência, o projeto Vivência Kariri-Xocó visa a mostrar que os povos originários não estão apenas relegados às selvas e presos nas páginas dos livros didáticos como seres imaginários e inatingíveis. Pelo contrário, estão aqui mesmo, dentro das cidades, convivendo conosco e, em geral, em situação de pobreza e ameaçados de perderem suas terras, asseguradas pela Constituição Federal, pela indústria da construção civil, pela especulação imobiliária e por políticos financiados por esses dois setores da economia.

Esse é o caso dos Kariri-Xocó e das cinco etnias que sempre coabitaram na Reserva Indígena do Bananal, situada no fim da Asa Norte e defronte da unidade de conservação Parque Nacional de Brasília (também cobiçada), de onde foram cruelmente expulsas pelos especuladores e governantes do Distrito Federal para dar lugar a um novo bairro do Plano Piloto destinado à classe média.

Com o projeto, os Kariri-Xocó pretendem assegurar a sustentabilidade da tribo que vive de artesanatos e outras atividades econômicas precárias. “Pretendemos levar aos/às estudantes crianças, adolescente e adultos a história da resistência vivida pelo povo indígena, em especial, o povo Kariri-Xocó, apresentações musicais com danças e cantos típicos e outras diversões, oficinas variadas, conhecimento tradicional e a venda de artesanato produzido pelos 64 integrantes da tribo”, explica Marinildes Pires, kariri-xocó artesã.

Ela conta que a ideia desse projeto é também retirar as manifestações indígenas do isolamento e dar um tratamento pedagógico ao conteúdo. “Começamos essas apresentações há cerca de 3 anos, quando professores e professoras nos convidaram para apresentações em sala de aula na Semana do Índio, em abril. Mas queremos avançar. Sair da prisão dessas datas comemorativas e das páginas dos livros e mostrar a importância de nossa cultura cotidiana e resistente no Brasil”, explica a filha de Marinildes, Itaynan Pires.

“Realizamos esse trabalho nas escolas para abrir mais a mente de pessoas que pensam que o índio é um indivíduo que vive somente na selva ou apenas nos livros. Nas escolas, mostramos que não é bem assim. O projeto estimula os/as estudantes a fazer perguntas e a entender que os povos indígenas estão dentro da sociedade e convivem conosco, às vezes, até dentro da família”, afirma Itaynan.

O Projeto Vivências Kariri-Xocó é amplo. Com ele, os indígenas levam para a escola muito mais do que uma palestra. Realizam atividades práticas e pedagógicas relacionadas à sua cultura e envolve os/as estudantes e a comunidade escolar na execução de pinturas, danças, artesanatos, culinária etc.

Para contratar o serviço, entre em contato com os Kariri-Xocó pelos telefones: (61) 981616988 / 981664273 / 981811706 ou pelo email: assoarkm@yahoo.com.br.

Imprimir