Por administrador em 27/ago/2014

Homenagem à CUT Brasília aponta integração da juventude como desafio



Fundada a duras penas antes ainda da redemocratização do país, em 1984, a CUT Brasília completa neste ano três décadas de resistência ao capitalismo selvagem e à opressão da classe trabalhadora e em busca do socialismo. Para homenagear os 30 anos de fundação da CUT Brasília, houve sessão solene nessa segunda-feira (25), na Câmara Legislativa. Foi um momento não de congratulações mas também de reflexão, especialmente sobre o desafio para o próximo período de trazer a juventude para reforçar a luta do movimento e renovar os quadros sindicais.

“Nossa missão é levar fé e esperança à sociedade para que ela acredite em um futuro melhor. Ser militante CUTista não é apenas estar sindicalizado, mas, acima de tudo, acreditar e lutar pelos princípios de autonomia sindical, solidariedade de classe e a busca pelo socialismo. Neste sentido, a juventude se faz essencial no nosso movimento. Junto com um trabalho de formação e de comunicação, temos que ouvir, dialogar e construir com a juventude”, disse o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto.

Para o secretário de Relações Internacionais da CUT Nacional, Antônio Lisboa, “em todas as ocasiões que proporcionaram ao Brasil ser um país melhor, a CUT esteve presente, tomando iniciativa ou como parceira. Foi assim no impeachment de Collor, nas Diretas Já!, na Marcha dos 100 mil e em tantas outras datas históricas”. O dirigente da CUT Nacional avalia ainda que, apesar de ser protagonista de marcos para o estabelecimento da democracia no Brasil, ainda há um importante passo a ser dado pela CUT, considerado por ele “o maior desafio da Central”: o “reencantamento da juventude”.

O deputado estadual Chico Vigilante (PT), idealizador da sessão solene, integrou, como presidente, a primeira direção executiva da CUT Brasília. “Naquela época, não tínhamos nenhuma estrutura. Nós mesmos, os dirigentes, limpávamos o banheiro, varríamos o chão, dividíamos marmita, escrevíamos e distribuíamos os materiais de comunicação”, lembra, como se fosse fato recente, o vigilante que se tornou parlamentar. Para Chico Vigilante, a CUT é “o mais importante instrumento de libertação da classe trabalhadora”.

A grandeza da CUT Brasília, como ferramenta de transformação social, também é reconhecida pela deputada federal Érika Kokay (PT-DF). Bancária e ex-presidenta da Central, ela afirma que a CUT Brasília é a representação da história do povo brasileiro. “A CUT nasce da natureza do ser brasileiro, que é filho da senzala e da Casa Grande, mas também é filho de Zumbi dos Palmares, de Margarida Alves, de Anita Garibaldi e de tantos outros. A CUT nasce guerreira e se consolida instrumento de transformação da sociedade brasileira”, declarou.

Dia dos Bancários
Além dos 30 anos da CUT Brasília, a sessão solene convocada pelo deputado Chico Vigilante homenageou também o Dia do Bancário, comemorado em 28 de agosto – marco das lutas históricas da categoria por melhores condições de trabalho.

O secretário de Finanças do Sindicato dos Bancários de Brasília, Wandeir Severo, considerou que a história da CUT Brasília se confunde com a história dos bancários e do Sindicato. “Durante essas três décadas de existência, os bancários não deixaram de participar da CUT, das suas decisões, das suas plenárias. Assim como a Central nunca deixou de apoiar nossa categoria nos momentos mais cruciais. Agora, por exemplo, estamos em uma Campanha Salarial, que não aconteceria sem a ajuda da CUT e a solidariedade dos sindicatos filiados”.

Ele destaca que os principais desafios dos trabalhadores bancários tratam da saúde do trabalhador e qualidade de vida. “O trabalhador bancário tem adoecido consideravelmente, com a apresentação, inclusive, de casos de suicídio. Tudo isso pelo excesso da carga de trabalho, pela exigência do cumprimento de metas que beiram o absurdo. Outra grande dificuldade nossa se apresenta com a terceirização dos trabalhos. Os bancários conseguiram uma Convenção Coletiva de Trabalho nacional e com direitos essenciais. Com isso, os patrões tentam tirar esses direitos constantemente, tentam dividir a categoria. E o que nós queremos é unir todo o ramo financeiro dentro dessa Convenção Coletiva”, afirma o dirigente sindical.

Mais comemoração

Um dia de muito samba acompanhado de tradicional feijoada também marcará o 30º aniversário da CUT Brasília. A festa marcada para acontecer no dia 30 de agosto, das 12h às 17h, será realizada na Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc). A atração da festa fica por conta do Grupo Luz do Samba, que há 26 anos apresenta a autêntica cultura carioca tocando os clássicos do samba de raiz. O convite individual pode ser comprado por R$ 25,00.

Também no dia 30, o Sindicato dos Bancários de Brasília comemora o Dia do Bancário com a tradicional Festa dos Bancários, que, nesta edição, traz como atração principal o guitarrista, cantor e compositor Jorge Ben Jor. A Festa será na AABB e também terá apresentações das bandas Suprema e Satisfaction e do DJ Tadeu Miura.

Imprimir