Por administrador em 13/dez/2011

Vitória da luta: depois de 13 anos, DF volta a ter Gestão Democrática nas escolas públicas



A presença da categoria durante toda esta terça-feira, 13, na Câmara Legislativa, mostrando toda a disposição para defender a verdadeira democracia nas escolas, garantiu um acordo que permitiu a aprovação  no plenário da Câmara do projeto de lei nº 588, do Executivo,  que institui a Gestão Democrática do Sistema Público de Ensino do DF.

Desde às 9h da manhã a categoria marcou presença na Comissão de Educação e Saúde da Câmara, onde acompanharam atentamente a discussão da proposta que foi aprovada por quatro votos e uma ausência.

Na parte da tarde, os professores enfrentaram grande lentidão para liberação do acesso às galerias do plenário, mas mesmo debaixo de chuva forte aguardaram para acompanhar a votação  e defender um projeto, que, como definou o diretor do Sinpro, Júlio Barros, é fruto de uma luta de mais de 30 anos da comunidade escolar. “Gostaria de destacar a sensibilidade da diretoria de mobilizar e chamar para a luta, a pronta resposta da categoria e salientar a atuação da deputada Rejane Pitanga (PT-DF), que desde o início do ano promoveu o debate da gestão, apresentando um projeto em janeiro que era a síntese da proposta defendida pelos trabalhadores em educação e realizando em audiência pública para discutir o tema”, afirmou Júlio Barros.

Para a deputada Rejane Pitanga (PT-DF) a atuação do Sinpro foi determinante para que os parlamentares, a partir do debate,  construíssem um consenso em uma proposta que atende em quase 100% aos anseios da comunidade escolar por mais participação. “Depois de 13 anos, teremos implantada a verdadeira democracia, não só nas escolas, mas na gestão da educação como um todo”, afirmou ela.

Aos jornalistas o secretário de Educação,  Denilson Bento, adiantou que as eleições nas escolas devem ocorrer entre abril e maio do ano que vem.

No entendimento do Sinpro, a categoria deve ser parabenizada por ter persistido na luta e por ver concretizada uma reivindicação histórica da comunidade escolar.

Imprimir