Por administrador em 01/fev/2010

FSM: aprovadas ações unificadas



Uma grande assembléia dos movimentos sociais marcou o último dia de atividades do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre (RS). Centenas de pessoas reuniram-se na Usina do Gasômetro com o objetivo de organizar e aprovar um documento dos movimentos sociais que relaciona suas ações unificadas e agendas políticas para o próximo período.

Representantes de movimentos sociais da América Latina abriram o evento e falaram sobre a conjuntura em seus países, como Paraguai, Honduras, Argentina, Bolívia e outros.

A mesa da assembléia foi coordenada por Antônio Carlos Spis, da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e representante nacional da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS).

Carta dos Movimentos Sociais

ASSEMBLEIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS

Porto Alegre, 29 de janeiro de 2010.

10 ANOS DO FSM – OUTRO MUNDO ACONTECE!

O Fórum Social Mundial surgiu em 2001 como uma forma de resistência dos povos de todo o planeta contra a avalanche neoliberal dos anos 90. Dessa forma ganhou força e se tornou um grande pólo contra hegemônico ao Capitalismo financeiro.

Nesses 10 anos passou pelo Brasil, Venezuela, Índia, Quênia levando a esperança de um mundo novo. Foi dessa maneira que o FSM conseguiu contagiar corações e mentes para a idéia de que é sim possível construir outro mundo com justiça social, democracia, sem destruir o planeta e valorizando as culturas nacionais. O FSM foi fundamental para construir uma nova conjuntura que valorize o multilateralismo e a solidariedade entre os povos. E é assim que partiremos para novas lutas e para construir o próximo Fórum Social Mundial em Dakar em janeiro de 2011.

Com o declínio do neoliberalismo e a crise do capitalismo entraram em choque também os valores capitalistas. Assim, o capitalismo predatório que destrói o meio ambiente causando graves desequilíbrios climáticos, que desrespeita os povos de todo o mundo e suas soberanias, explora o trabalhador e desestrutura o mundo do trabalho, que exclui o jovem, discrimina o homossexual, oprime a mulher, marginaliza o negro, mercantiliza a cultura, passa a ser questionado. Portanto, as crises atuais nada mais são do que crises do modelo de desenvolvimento adotado, que é o das grandes corporações capitalistas. De tal maneira, essa crise do Capitalismo coloca os movimentos sociais em situação mais favorável para travar a luta.

O mundo mudou. E a crise do sistema financeiro mundial é uma derrota do Imperialismo. Assim caminha-se para a busca de soluções multilaterais reforçando órgãos como o G-20. Ao mesmo tempo emergem novas potencias como o BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) que representa o fortalecimento das nações emergentes. Isso sem falar na América Latina que atrai os olhos de todo o planeta diante de sua onda transformadora e mudancista. Escorre pelo ralo o velho ideário neoliberal do Estado mínimo e o Estado volta a ser o grande instrumento de fomentação do desenvolvimento.

Por outro lado, a hegemonia mundial ainda é capitalista e as elites não entregarão o continente que sempre foi tido como o quintal do Imperialismo de mão beijada. Não é à toa a promoção do golpe em Honduras em 2009 e contra Chávez em 2002, a desestabilização de Lugo no Paraguai, a tentativa de golpe contra Lula no Brasil em 2005. A turma do neoliberalismo não esta morta e demonstrou isso nas eleições do Chile. Ao mesmo tempo, as elites se utilizam e fortalecem novos instrumentos de dominação.

Sua principal arma hoje é a grande mídia e os grandes veículos de comunicação. São esses organismos que funcionam como verdadeiros porta-vozes das elites conservadoras e golpistas. Nesse sentido ganham força os movimentos de cultura livre que conseguem driblar o monopólio midiático e influenciar a opinião de milhares de pessoas e a necessidade do fortalecimento das rádios comunitárias.

O Imperialismo mostra a cada dia a sua face. Elegeu Obama em um grande movimento de massas carregando consigo as esperanças do povo estadunidense em superar a era Bush. Entretanto o Imperialismo continua sendo Imperialismo. Dessa forma cresce seu o olho diante das grandes riquezas descobertas como o Pré-sal. Os EUA reativaram a quarta frota marítima e instalaram mais bases militares na Colômbia de seu amigo Uribe, além de insistir no retrógrado bloqueio a Cuba.

Os movimentos sociais reunidos no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre reafirmam seu compromisso com a luta por justiça social, soberania, pela integração solidária da América Latina e de todos os povos do mundo, pelo fortalecimento do multilateralismo, contra o Imperialismo, pela autodeterminação dos povos e contra todas as formas de opressão. Dessa forma, os movimentos sociais brasileiros convocam a Assembléia Nacional dos Movimentos Sociais para o dia 31 de maio em São Paulo e definem as seguintes bandeiras de luta:

SOBERANIA NACIONAL

-Defesa do Pré-sal 100% para o povo brasileiro;

-Pela retirada das bases estrangeiras da América Latina e Caribe;

-Defesa da autodeterminação dos povos;

-Pela retirada imediata das tropas dos EUA do Afeganistão e do Iraque;

-Pela criação do Estado Palestino;

-Contra os Golpes de Estado a exemplo de Honduras;

-Contra a presença da 4ª Frota na América Latina;

-Pela integração solidária da América Latina;

-Contra a volta do neoliberalismo;

-Pelo fortalecimento do MERCOSUL, UNASUL e da ALBA;

-Pela democratização e o fortalecimento das forças armadas;

-Pela defesa da Amazônia como patrimônio nacional.

DESENVOLVIMENTO

-Por uma política nacional de desenvolvimento ambientalmente sustentável, que preserve o meio ambiente e a biodiversidade, e que resguarde a soberania sobre a Amazônia brasileira.

-Por um Projeto Nacional de Desenvolvimento com distribuição de renda e valorização do trabalho;

-Pelo fortalecimento da indústria nacional;

-Contra o latifúndio;

-Em defesa da Reforma Agrária;

-Redução da jornada de trabalho sem redução de salários;

-Por políticas Públicas para a Juventude;

-Defesa de formas de organização econômica baseadas na cooperação, autogestão e culturas locais;

-Pela alteração da Lei Geral do Cooperativismo e da conquista de um Sistema de Finanças Solidárias e Programa de Desenvolvimento da Economia Solidária (PRONADES), do Direito ao Trabalho Associado e Autogestionário, e de um Sistema de Comércio Justo e Solidário;

-Por um desenvolvimento local sustentável;

-Por Políticas Públicas de Igualdade Racial;

DEMOCRACIA

-Contra os monopólios midiáticos;

-Contra a criminalização dos movimentos sociais;

-Em defesa da Cultura livre: É necessário que todo o processo de criação e difusão seja livre, garantindo aos sujeitos sociais condições suficientes para criarem e acessarem todos os bens culturais;

-Pela ampliação da participação do povo nas decisões;

-Contra o golpe em Honduras;

-Contra a desestabilização dos governos democráticos e populares da América Latina;

-Democratizar os meios de comunicação, visando a pluralidade de opiniões e o respeito e difusão das opiniões das minorias. Pela criação imediata de um canal aberto de televisão pública. Pela integração da TV pública brasileira ao projeto da Telesul. Fortalecimento das rádios e TVs públicas e comunitárias. Concessão de linhas de financiamento a projetos de criação de novas TV’s, Rádios, Jornais e Revistas de grande circulação por parte dos movimentos sociais populares quando da mudança do modelo analógico para o modelo digital brasileiro;

-Pelo fim das patentes de remédios;
-Contra o caráter restritivo a dis
tribuição de conhecimento e propriedade intelectual; Pela revisão da lei de direito autoral brasileira, enfocando nos novos formatos de distribuição de conteúdo em mídias digitais;

-Contra a intolerância religiosa, em defesa do Estado laico.

MAIS DIREITOS AO POVO

-Educação pública, gratuita e de qualidade para todos e todas, com a universalização do acesso, promoção da qualidade e incentivo à permanência, seja na educação infantil, no ensino fundamental, médio e superior. Por uma campanha efetiva de erradicação do analfabetismo. Adoção de medidas que democratizem o acesso ao ensino superior público;

-Defesa da saúde pública garantindo acesso da população a atendimento de qualidade. Tratamento preventivo às doenças, atendimento digno às pessoas nas instituições públicas;

-Pela garantia e ampliação dos direitos sexuais reprodutivos;

-Contra a exploração sexual das mulheres;

-Pelo fim do fator previdenciário e por reajuste digno para os aposentados.

SOLIDARIEDADE

-Solidariedade ao povo haitiano diante do recente desastre ocorrido em virtude de uma seqüência de terremotos;

-Solidariedade ao povo cubano – pela liberdade dos 5 prisioneiros políticos do Império.

-Solidariedade aos povos oprimidos do mundo.

CALENDÁRIO

08 MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA MULHER;

MARÇO – JORNADA DE LUTAS DA UNE E UBES

1º MAIO – DIA DO TRABALHADOR

31 MAIO – ASSEMBLÉIA NACIONAL DOS MOVIMENTOS SOCIAIS

1º DE JUNHO – CONFERÊNCIA NACIONAL DA CLASSE TRABALHADORA

Solidariedade ao povo haitiano
Outro importante encaminhamento da plenária foi o lançamento da campanha “Pense no Haiti, aja pelo Haiti”, que pretende desenvolver ações articuladas com a embaixada haitiana para arrecadação de recursos necessários à reconstrução do país, destruído por terremotos nas últimas semanas.

(Fonte: Portal do Trabalhador – CUT)

Imprimir