Por administrador em 01/abr/2014

Fórum pela democracia – 50 anos de resistência (1964-2014)



No cinquentenário do golpe civil-militar de 1º de abril de 1964, organizações da sociedade civil do Distrito Federal se articulam no Fórum pela Democracia: 50 Anos de Resistência na defesa da memória dos que lutaram contra a ditadura, pela abertura dos arquivos secretos, o cumprimento da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Caso Araguaia) e a correta interpretação da Lei Anistia pelo STF, para que os autores de crimes de lesa humanidade possam ser responsabilizados em juízo para que toda a verdade apareça.

Durante 21 anos (1964 a 1985), em Brasília, se instalaram pela força das armas e pelo conluio de lideranças civis acovardadas do Congresso Nacional, ditadores militares que usurparam o título de Presidentes da República sem o voto popular e a legitimidade constitucional. Forjaram um regime espúrio que cerceou as liberdades democráticas, o livre funcionamento dos partidos políticos, dos sindicatos, das agremiações
estudantis, censurou as manifestações culturais, cassou deputados e senadores, perseguiu lideranças sociais e políticas, prendeu, torturou, assassinou e desapareceu com opositores políticos, ao perpetrar violações aos direitos humanos até hoje não apuradas, nem responsabilizados seus autores. Exigimos o direito à verdade histórica!

O povo brasiliense escreveu páginas vibrantes da resistência, tais como, a auto demissão dos 223 professores da UnB, em solidariedade aos colegas demitidos e as lutas dos estudantes e professores contras as sucessivas invasões policiais desde 1965 até 1977; no apoio a resistência democrática contra o AI-5, no Congresso Nacional, em 1968 e nas manifestações pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita, em 1979. Esta luta
política deu origem a lideranças e combatentes da liberdade como Honestino Guimarães (ex-presidente da UNE), Paulo de Tarso Celestino da Silva (advogado ex-presidente da FEU-UnB), Ieda Santos Delgado e Nelson José de Almeida (jovem trabalhador rural), mortos ou desaparecidos em circunstâncias até hoje não esclarecidas. Queremos a memória da resistência!

Este é o sentido histórico que representa o Fórum pela Democracia: 50 anos de Resistência cujo objetivo é agregar e articular as diferentes iniciativas dos mais diversos e amplos setores da sociedade civil, com o objetivo de pensar criticamente as causas e os efeitos do golpe armado, de 1964, suas heranças e a continuidade das resistências democráticas. Consideramos fundamental este momento não só pela carga potencial simbólica dos 50 anos, mas sobretudo, pela urgência da sociedade brasileira resgatar seus valores históricos, políticos, sociais e econômicos.

A comemoração é por esta luta persistente e contínua de todos e todas, trabalhadores e trabalhadoras do campo e das cidades, estudantes, professores, intelectuais, camponeses e povos indígenas, que hoje lutam no país como sujeitos de direito para se aprofundar a democracia, livrar e remover quaisquer resquícios da tirania e da ditadura, como a militarização da Polícias Militar e a impunidade de ontem e de hoje, em nome da reparação, da verdade, da memória e da justiça.

PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA, PARA QUE NUNCA MAIS ACONTEÇA !

Central Única dos Trabalhadores – CUT-DF
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – CONTAG
Comitê pela Verdade, Memória e Justiça do DF – CVMJ do DF
Comissão Anísio Teixeira de Memória e Verdade da UnB
Movimento das Mulheres Camponesas – MMC
Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA
Sindicato dos Bancários de Brasília – DF
Sindicato dos Urbanitários – STIU-DF
Sindicato dos Trabalhadores de Empresas e Órgãos Públicos e Privados de Processamento de Dados, Serviços
de Informática, Similares e Profissionais de Processamento de Dados do Distrito Federal – SINDPD-DF
Sindicato dos Professores no Distrito Federal – SINPRO-DF

Imprimir