Por administrador em 11/abr/2014

Evasão e reprovação no ensino médio preocupam, reconhece ministro



O ministro da Educação, Henrique Paim, reconheceu ontem que o Ensino médio é o setor com mais problemas e um dos maiores desafios da pasta. Os elevados índices de reprovação e evasão aliados a problemas de qualidade preocupam o ministro, que participou de audiência na Comissão de Educação (CE).

Para melhorar a situação, o governo aposta agora no Pacto Nacional pelo Ensino médio, que envolve uma série de ações com as secretarias de Educação dos estados para melhorar a formação dos Professores e coordenadores pedagógicos. Entre as metas, está o aumento de indicadores de proficiência em matemática, português e ciências. O ministro informou que todos os 26 estados brasileiros e o Distrito Federal já aderiram ao programa.

— É importante dizer que existe uma unanimidade no Brasil de que a gente precisa melhorar. Só que nosso problema, na realidade, é de qualidade e de inclusão. Logo no primeiro ano do Ensino médio, o índice de reprovação é de 30%, fator que está relacionado também à evasão Escolar. De 1997 para cá, conseguimos a inclusão de 5 milhões de estudantes. Fazer essa inserção com qualidade é o desafio.

Paim disse que a ampliação da jornada dos estudantes é outro ponto que vai receber atenção. Ele informou que, de 2010 a 2013, houve um crescimento de 139% no número de matrículas com jornada igual ou superior a sete horas.
— O Ministério da Educação investe R$ 2 bilhões por ano nesse programa.

O ministro também esclareceu a situação dos estudantes da Gama Filho e do Centro Universitário da Cidade (UniverCidade), descredenciadas em janeiro pelo Ministério da Educação. Segundo ele, cerca de 90% dos Alunos que entraram no processo de transferência assistida do ministério conseguiram migrar para outras instituições.

(Do Jornal do Senado)

Imprimir