Por administrador em 11/mar/2010

Estudo prevê emprego para 19 milhões neste ano



Quase 19 milhões de trabalhadores deverão ser contratados em 2010, para ocupar novas vagas ou vagas que serão repostas em inúmeros setores, prevê estudo divulgado nesta quarta-feira pelo IPEA. Quase 19 milhões de trabalhadores deverão ser contratados em 2010, para ocupar novas vagas ou vagas que serão repostas em inúmeros setores, prevê estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). O instituto estima que serão abertos mais de dois milhões de empregos e repostas 16, 6 milhões de vagas.
O cenário previsto pelo instituto para o mercado de trabalho é o seguinte:
a) 24, 8 milhões de pessoas – entre elas 19, 3 milhões com qualificação e experiência profissional – buscarão emprego. Mas os trabalhadores contratados serão 18, 6 milhões.
b) 6, 2 milhões de trabalhadores ficarão sem emprego. “Desse total, cerca de 5, 5 milhões dificilmente conseguirão emprego dada a baixa escolaridade ou falta de experiência profissional”, diz o presidente do IPEA, Márcio Pochmann.
c) Entre os trabalhadores qualificados e com experiência profissional, ficarão sem emprego aproximadamente 653 mil.
d) Das duas milhões de vagas novas que serão oferecidas no país, 700 mil serão abertas no estado de São Paulo. Também para São Paulo o IPEA prevê o maior número de demissões (5, 4 milhões) ao longo deste ano.
e) Os setores que vão gerar mais vagas são comércio e reparação (850 mil), indústria (300 mil) e alojamento e alimentação (250 mil). “Esses mesmos setores deverão ser os principais responsáveis pela prática da rotatividade da mão de obra (demissão e admissão de trabalhadores, geralmente por salário menor), com rompimento de mais de 16, 6 milhões de contratos de trabalho”, estima o estudo.
f) Quatro setores terão escassez de mão de obra qualificada, segundo o IPEA. Faltarão quase 190 mil trabalhadores para comércio e reparação; mais de 50 mil para educação, saúde e serviços sociais; 45 mil para alojamento e alimentação e quase 40 mil para construção.
g) Paraná, Santa Catarina e Rondônia, de acordo com o IPEA, serão os estados mais afetados pela falta de trabalhadores qualificados.
h) Para os demais estados e setores o instituto prevê que haverá sobra de trabalhadores.
i) Os setores com maior excesso de oferta de mão de obra serão outros serviços coletivos, sociais e pessoais (612.239), indústria (145.948), agrícola (122.463), administração pública (46.874) e transporte, armazenagem e comunicação (46.304).
j) Os estados com mais sobra serão a Bahia (183.770) e o Pará (53.637).
k) A Região Sul será a única em que a demanda de mão de obra das empresas será maior do que o número de profissionais capacitados para ocupá-las. Haverá 2.118 vagas nos estados da Região Sul que não terão profissionais qualificados para preenchê-las. Na Região Centro-Oeste haverá excesso de 94.997 trabalhadores capacitados que ficarão sem emprego; na Região Norte, serão 106.3, mil; na Sudeste, 119 mil; e na Nordeste, 334, 2 mil.
Informações no site da CUT

Imprimir