Por administrador em 17/jul/2014

Dirigentes apontam a importância da cota para jovens no movimento sindical



Historicamente, os jovens representam um dos segmentos da sociedade vitimados pelas incongruências socioeconômicas e culturais. Isso se manifesta nos espaços de poder, no mercado de trabalho e reflete nos índices de criminalidade, de pobreza, de escolaridade.

Para garantir que o jovem se compreenda como um sujeito de direito, condição que deve ser compreendida também pela sociedade, a CUT Brasília está empenhada na campanha que pretende trazer para dentro de toda a estrutura da Central a representação de jovens, bem como ampliar o investimento despendido neste segmento. Segundo decisão da maioria dos delegados e delegadas que participaram da 14ª Plenária Estatutária da CUT Brasília, em maio, o objetivo dessas propostas é reaproximar o jovem do movimento sindical e, mais que isso, inserir o jovem como parte da direção da Central, consistindo estratégia, temporária, mas essencial, de mudança e renovação do movimento que organiza a classe trabalhadora, em busca do protagonismo social.

“Defendemos que a direção da Central e das entidades que compõem a estrutura vertical da CUT sejam compostas por, no mínimo, 10% de jovens (menores de 35 anos). O mecanismo para corrigir a desproporcionalidade de representação nas direções seria temporário. O cumprimento da cota deverá acontecer no período das próximas quatro gestões, ao final do qual a política de cota para juventude será revista”, conta Douglas de Almeida Cunha, secretário da Juventude da CUT Brasília.

Para completar o processo de oxigenação, a CUT Brasília ainda propõe a renovação de 1/3 nas direções estaduais, na direção nacional da CUT e nas direções de federações e confederações, limitando a permanência de cada dirigente na mesma função por, no máximo, dois mandatos consecutivos. Além disso, a CUT Brasília e a maioria de seus sindicatos filiados ainda defendem que haja mais investimento financeiro para atuação junto à juventude, de forma a concretizar as lutas travadas em defesa de melhorias para esse crescente segmento de jovens trabalhadores.

Tais propostas foram aprovadas na 14ª Plenária Estatutária da CUT Brasília, realizada no final de maio, reunindo delegados de todos os sindicatos filiados. Se somam, contudo, na defesa dessas propostas e na campanha da CUT Brasília, dirigentes sindicais de Norte a Sul, de Leste a Oeste do Brasil, o que significa dizer que a reivindicação por maior participação da juventude é justa, necessária e urgente. Assista aos vídeos de apoiadores e acompanhe mais notícias no facebook/cutbrasilia

>> Clique aqui e veja o que o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Porto Velho — Sintracon-PV, Magno Barbosa de Oliveira, tem a dizer.


>> Clique aqui e veja o que o Secretaria de Juventude da CUT Roraima, Paulo Rodrigo, tem a dizer.

Imprimir