Por administrador em 24/out/2011

DF realiza conferência de mulheres



Foi realizada no último final de semana a 3ª. Conferência Distrital de Políticas para as Mulheres, que  contou com uma representação expressiva de mulheres vindas de todas as regiões do DF, dos mais variados matizes. No ato político de abertura foram homenageadas  a jornalista Mara Régia di Perna, a ex-deputada Maria Laura Pinheiro e, em memória, Adnair França e Neide Castanha. No último bloco a homenagem foi  a todas as mulheres vítimas da violência doméstica, simbolizadas por dois casos recentes de vítimas fatais, Suênia de Sousa Faria e Vanessa Souza Ribeiro dos Santos, recebida por Silene de Souza Faria e Aury Ferreira de Souza, respectivamente.

Para a secretária de Mulheres da CUT-DF, Maria da Graça Souza, a realização é uma reivindicação histórica do movimento de mulheres no DF. “As diretrizes estabelecidas pela conferência serão determinantes para que o poder público incorpore a dimensão de gênero para a implementação efetiva de políticas pública para as mulheres”, afirmou ela.

Maria da Graça ressaltou a reestruturação do Conselho dos Direitos da Mulher e a campanha de combate à violência sexual contra as mulheres, lançada pela CUT  e encapada pelo Governo local. Também celebrou a nova casa abrigo no DF, como parte do Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. “No entanto, entendemos que esses feitos, mesmo que representem um avanço em direção ao enfrentamento à violência contra as mulheres no DF, ainda são insuficientes para a efetiva implementação da Lei Maria da Penha no Distrito Federal, principalmente diante do aumento alarmante da violência contra as mulheres no DF, em especial em estupros e assassinatos”, afirmou ela.

Ela acredita que o próximo Plano Plurianual deve incluir orçamento específico para o enfrentamento das desigualdades de gênero no Distrito Federal. Entre as prioridades, estão: construção e implementação de creches e pré-escolas com educação não sexista, ampliação dos recursos públicos destinados à Educação Infantil e às políticas de valorização das/dos Profissionais de educação; consolidação e fortalecimento da rede de atendimento às mulheres vítimas de violência, que implica na capacitação de profissionais para atendimento em todas as delegacias para um atendimento humanitário às mulheres vítimas de violência; implementação da Política Nacional de Abrigamento às mulheres vítimas de violência Garantia de recursos para manutenção e aparelhamento da Casa Abrigo e Centros de Referência; acesso à saúde, ao transporte, ao emprego; políticas de geração de renda e acesso a moradia para as mulheres; transparência e participação política na elaboração, execução e monitoramento do orçamento do Distrito Federal.

Para que de fato essas políticas sejam implementadas é absolutamente necessário na formulação do PPA de 2012/2015, que já se encontra no parlamento, produtor de políticas públicas, incorpore a perspectiva de gênero na sua formulação conceitual e a partir dessa incorporação possa assegurar sua transversalidade no conjunto de todas as instâncias e competências institucionais, técnicas e administrativas da governabilidade do Governo.

 

Imprimir