Por administrador em 22/ago/2014

Contracs-CUT realiza oficina de comunicação em Brasília



Como parte do programa estratégico da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs-CUT), a entidade realiza nesta quinta-feira (21/8) a II Oficina Estadual de Comunicação, desta vez no Distrito Federal – a primeira foi em São Paulo.
A relação entre as eleições e a mídia deram o tom do encontro.
contracs_com_800
Em sua apresentação, o diretor de Juventude da CUT Brasília, Douglas de Almeida Cunha, ressaltou a importância dos sindicatos se filarem ao Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). Segundo o dirigente, a mídia vigente “não representa o conjunto da sociedade, a classe trabalhadora; mas apenas um pequeno grupo de famílias”.
O FNDC busca, especialmente, a aprovação de Lei da Mídia Democrática, de iniciativa popular, visando regulamentar a Constituição em relação às rádios e televisões brasileiras. Entre outros objetivos do FNDC estão a adoção de um planejamento estratégico para a área das comunicações, com ampla participação de todos os setores da sociedade interessados, como condição para o alcance de objetivos nacionais, a construção democrática da vontade nacional, a afirmação da autonomia estratégica do país, assim como da cidadania e da dignidade humana.
Eleições – No caso das eleições, Douglas questionou a idoneidade da imprensa tradicional no processo eleitoral. “Ela é tendenciosa, direcionada mesmo. Porém, não exite mídia impressa maior que a nossa [sindical]. Só que trabalhamos de forma desarticulada. É preciso construir esse processo”, advertiu.
Antes da abertura para debates, Douglas lembrou que as eleições de 2014 apresentam características únicas, principalmente no aspecto judicial. “Há uma série de amarras legais para a participação sindical. Pela lei, não podemos fazer isso ou aquilo. Estamos limitados na nossa expressão. Mas as redes sociais terão menor interferência da justiça eleitoral; é um campo mais aberto para manifestações e para exercício da nossa cidadania e devemos evoluir nesse sentido”, concluiu.
Imprimir