Por administrador em 26/jan/2012

Contagem regressiva: GDF tem até o dia 8 de março para cumprir compromissos assumidos com professoras(es) da rede pública



Professoras e professores da rede pública de ensino do Distrito Federal podem entrar em greve no dia 8 de março, caso até lá o governo do DF não cumpra os compromissos assumidos oficialmente com a categoria. A decisão de iniciar o movimento intitulado “contagem regressiva” foi aprovada em 17 de novembro passado, durante assembleia, após avaliação de que 112 dias é tempo suficiente para o GDF rever seu descaso e honrar a palavra empenhada.

Durante todo o ano de 2011 as negociações com o governo, sobre a pauta de reivindicações da categoria, se arrastaram. Em reunião ocorrida no mês de abril, o GDF entregou um documento assinado onde se compromete a atender alguns pontos da pauta em datas específicas. Contudo, os prazos foram vencendo e as promessas não foram cumpridas.

Um exemplo disso é a proposta do Plano de Saúde que seria apresentada até 30 de julho. Já estamos em meados de janeiro e nem um possível projeto do referido Plano foi apresentado. Outro ponto é a reestruturação do Plano de Carreira que, dentre outros, proporcionaria a recuperação salarial do professores pelos próximos três anos.

Pontos importantes do Plano de Carreira começaram a ser discutidos com o governo, mas a negociação não foi concluída. A proposta de tabela salarial apresentada pelo GDF nem de longe vem ao encontro do anseio da categoria de conquistar a isonomia salarial com outras carreiras de nível superior do DF até 2014.

Com a rejeição dessa proposta do governo de tabela salarial, todas as negociações sobre o Plano de Carreira, seja a respeito da tabela seja de sua estrutura, foram paralisadas. Há meses as negociações estão suspensas. Chegamos a enviar um ofício solicitando uma audiência para negociação direta com o governador Agnelo Queiroz, mas não recebemos qualquer resposta.

A greve é o instrumento dos trabalhadores de maior poder de negociação. Para o Sinpro-DF a categoria já deu diversas provas de tolerância, demonstrando sua disposição para negociar. Agora está nas mãos do governo decidir como as negociações serão retomadas e se vai honrar os compromissos oficialmente assumidos.

Não podemos mais esperar! Exigimos respeito! Negociação já!

Imprimir