Por administrador em 20/maio/2009

Cecut e plenária de mulheres na quinta



Nos próximos três dias, cerca de 420 representantes dos sindicatos do Distrito Federal filiados à CUT se reunirão para eleger a nova direção da Central e discutir os eixos que farão parte da bandeira de luta da CUT até 2012. As ações serão realizadas durante o 11º Congresso Estadual da CUT local, o CECUT-DF, que tem como lema o “desenvolvimento com trabalho, renda e direitos”. O encontro acontece no Teatro dos Bancários.

A solenidade de abertura do CECUT-DF está agendado para às 19 horas de amanhã e contará com a participação da presidente da CUT-DF, Rejane Pitanga, do presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, Rodrigo Britto, do coordenador adjunto do 11º CECUT/10º CONCUT, Roberto Miguel, da secretária nacional de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti, do militante do PT, José Dirceu, e da presidente da OAB, Estefânia Viveiros.

No dia seguinte, sexta-feira, serão feitas análises de conjuntura internacional, nacional e local, além de um balanço político organizativo da CUT. Estarão presentes o diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agnelo Quiroz, o economista do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos), Tiago Oliveira, e a deputada distrital do PT, Érika Kokay.

O CECUT-DF será encerrado no sábado (23). O dia está reservado para a apresentação do projeto de comunicação nacional da CUT, o lançamento da Campanha Nacional por Igualdade de Oportunidades entre Homens e Mulheres na Vida, no Trabalho e no Movimento Sindical; planejamento das estratégias e plano de ação nacional e local e, às 17h30, a eleição da nova direção da CUT-DF para o triênio 2009/2012.

Avanço na luta
O balanço da CUT-DF nos últimos três anos é extremamente positivo. A afirmação é da presidente da Central, Rejane Pitanga, que destaca o trabalho de aproximação da CUT-DF aos sindicatos filiados, inclusive os rurais e os do entorno. A política rendeu bons resultados. Hoje, a Central conta com 62 sindicatos filiados (na gestão anterior eram 50), além dos que estão em processo de filiação, como o Sindicato dos Djs, dos servidores do Detran, dos Técnicos Penitenciários, entre outros.

Além disso, a CUT-DF esteve mais atuante na luta das mulheres, na criação de políticas contra a discriminação racial, de políticas para a juventude e envolvida nas demais lutas sociais. “A nossa luta não é apenas uma luta econômica, uma luta por condições de trabalho. Esta não é uma Central que pensa nos trabalhadores apenas como seres produtivos, mas como pessoas que estão inseridas em uma sociedade”, explica Rejane Pitanga.

A presidente ainda alertou que este é um momento de crise e que a CUT ainda passará por vários momentos difíceis nos próximos três anos. Entretanto, para a presidente, é necessário continuar combatendo as iniciativas que possam prejudicar os trabalhadores. “Essa crise não foi criada pelos trabalhadores, por isso não devemos pagar por ela. A CUT, desde o início, foi contra qualquer tipo de negociação para reduzir a jornada de trabalho com redução de salários. Nós queremos garantir a redução da jornada sem prejuízo do salário. A crise não se combate com redução de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, se combate com propostas de desenvolvimento econômico, com geração de emprego, com políticas de redução da exclusão social”, afirmou.

PLENÁRIA DAS MULHERES

O Congresso será precedido pela Plenária de Mulheres Trabalhadoras da CUT, que começa às 9 horas desta quarta-feira. Neste ano, os temas tratados serão “As mulheres nos espaços de poder” e “Gênero e sexualidade – o hiato entre a identidade social e jurídica de travestis e transexuais”, com a participação da deputada distrital, Érika Kokay (PT), da deputada federal Luiza Erundina (PSB), que é coordenadora da Frente Parlamentar pela Reforma Política com Participação Popular, entre outras mulheres.

Por isso, todas as delegadas ao 11º CECUT estão convocadas a participar da nossa Plenária de Mulheres, que acontecerá de 9 às 17h desta quinta-feira, 21, no Sindicato dos Bancários (mesmo lugar do CECUT).

O credenciamento da Plenária de Mulheres e do CECUT será unificado e começará às 8h do dia 21, no local de realização das atividades. A Plenária segue as orientações do Congresso para observadoras e convidadas. Todas as demais companheiras do coletivo estão convidadas a participar dessa atividade. O acesso será livre, observando-se restrição de voz e voto às não delegadas.

P R O G R A M A Ç Ã O da PLENÁRIA DE MULHERES TRABALHADORAS DA CUT

Dia: 21 de maio

9h – “As Mulheres nos Espaços de Poder ”

Expositora: Patrícia Duarte Rangel – Assessora Parlamentar do CFEMEA

Debatedoras: Rosane Silva – Secretária Nacional de Mulheres Trabalhadoras CUT

Rejane Pitanga – Presidenta da CUT

Erika Kokay – Deputada Distrital PT

Luiza Erundina – Deputada Federal PSB, Coordenadora da Frente Parlamentar pela Reforma Política com Participação Popular

Coordenação: Maria da Graça Sousa – Secretária de Mulheres Trabalhadoras da CUT

10h30 – Intervalo

10h45 – “Gênero e sexualidade – O hiato entre a identidade social e jurídica de travestis e transexuais”.

Expositor: Jaques Jesus – Doutorando em Psicologia Social e do Trabalho pela UNB e Presidente da Federação LGBT do DF e Entorno

Debatedora: Sandra Michelli – Analista Ambiental e Bióloga formada pela USP

Coordenação: Maria da Graça Sousa – Secretária de Mulheres Trabalhadoras da CUT

12h30 – Almoço

14h – ”Políticas da CUT para as mulheres – Balanço da SEMT/DF e ações para o próximo período”.

Expositoras: Maria da Graça Sousa – Secretária de Mulheres Trabalhadoras da CUT – SEMT

Rosane Silva – Secretária Nacional de Mulheres Trabalhadoras da CUT – SNMT

Coordenação: Adriana da Luz Rodrigues de Sousa – Secretária de Formação da CUT

15h45 – Intervalo

16h – Debate e votação das resoluções.

Apresentação e mediação: Maria da Graça Sousa – Secretária de Mulheres Trabalhadoras da CUT

Rejane Pitanga – Presidenta da CUT

Imprimir