Por administrador em 16/mar/2012

Categoria realiza atividades de mobilização em todo DF



Neste sábado, vários grupos de educadoras e educadores da rede pública de ensino do DF se reuniram para esclarecer a sociedade sobre os motivos que levaram os(as) professores(as) a decretarem greve por tempo indeterminado na última segunda(12), ou seja há uma semana. Todos os dias, desde então, várias manifestações pacíficas estão sendo realizadas em todas as regionais. Em Samambaia, diretores do Sinpro se uniram pela manhã de sábado a estudantes e a comunidade local para pintar os muros da escola 404.Ironicamente, no muro principal da escola havia uma propaganda de uma escola particular. Uma frase que destaca a valorização da educação; agora decora o muro da Escola de Samambaia. Também promovemos a panfletagem e informes à comunidade do itapoã e outros locais de grande fluxo de pessoas. Nosso objetivo é esclarecer a populção do descaso com que a categoria vem sendo tratada pelo governo.
As atividades de mobilização realizadas nesta sexta-feira (16) em várias regiões administrativas deram ainda mais visibilidade a nossa luta. No quinto dia de paralisação, professores(as) e estudantes promoveram carreatas, apitaços, bandeiraços, passeatas, panfletagem e aulões de conscientização com objetivo de convencer os educadores a aderirem ao nosso movimento paredista.

No Paranoá um grupo de convencimento fez uma visita no CED PAD-DF, maior escola rural do DF, onde conseguiu grande adesão. Pelo menos 70% dos(as) professores(as) aderiram imediatamente à greve e pela influência na região, educadores de outras escolas também comunicaram sua adesão. Em Ceilândia a atividade começou com uma carreata junto com alunos dos CEM’s 02 e 03. Logo depois o grupo foi até a administração e em seguida à Regional de Ensino, onde foi realizado um Aulão de Cidadania. “Tivemos a presença de professores e alunos e onde passávamos tínhamos o apoio da comunidade. O recado foi dado”, salientou o diretor Ilson Veloso.

Em Taguatinga, Recanto e Samambaia foi realizado um ato conjunto no centro de Taguatinga. Professores de Samambaia saíram em carreta pela Avenida Sul da região administrativa até o Cemab, em Taguatinga, onde se juntaram aos educadores das outras duas regionais. Mais de 150 professores visitaram o CEF 17, CEM EIT, CRE Taguatinga e CEI 04, onde convidaram outros professores a aderirem ao movimento.

O movimento em Sobradinho contou com uma conscientização no CED 02 e em seguida carreata por Sobradinho I e II, fechando a atividade na Regional de Ensino. Já no Núcleo Bandeirante uma passeata pelas ruas, escolas da região e na CRE chamou a atenção da comunidade. Mais de cem professores e alunos do CEM NB 01 distribuíram nota de esclarecimento à população sobre a greve e a adesão dos professores que estavam trabalhando foi grande.

Neste momento é de extrema importância a participação de cada professor e professora nas atividades de mobilização. Nossas vitórias serão proporcionais à nossa garra e vontade de lu

Imprimir